Pular para o conteúdo

Notícias

Alunos compartilham a experiência de fazer intercâmbio virtual

BLOG DOS INTERCAMBISTAS Data de Publicação: 03 ago 2022 11:43 Data de Atualização: 05 ago 2022 09:24

Recebemos o relato final de quatro estudantes do IFSC que participaram de programas de mobilidade virtual. No primeiro semestre deste ano, eles cursaram disciplinas on-line em instituições estrangeiras. Mauricéia, Edivaldo e Gabriel estudaram no Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) em Portugal. Já Márcia participou de aulas na Universidad de Deusto na Espanha. 

Leiam abaixo o relato dos alunos:

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Relato de Mauricéia Rita Dalle Tese | Aluna do curso técnico em Agronegócio no Câmpus São Lourenço

Sendo honesta, nas primeiras aulas, me senti um peixe fora d’água e vi que realmente tinha escolhido as unidades curriculares erradas. Porém, com o passar das aulas e observando a disponibilidade dos docentes em nos ajudar, foi algo que me animou muito. Os fusos-horários são diferentes, algo cansativo, mas que se tornou algo satisfatório, pois após cada aula eles tiravam o tempo para conversar com os alunos do outro lado e ver se restou dúvidas.

Em momento algum tive 1% de arrependimento ao decidir fazer este intercâmbio. Mesmo sendo virtual, o aprendizado foi incrível. A atenção que os docentes nos deram é fora do comum, ainda mais por se tratar da distância. Muitas vezes, nem presencialmente temos esse “contato”, oportunidade de se expôr e indagar se necessário.

Eu estava empolgada em elaborar e apresentar um artigo sobre resíduos sólidos, o qual meu tema foi: “Resíduos gerados em laticínios: Um estudo de caso na empresa Lorenzo S/A de São Lourenço do Oeste, Santa Catarina- Brasil”. Foi um trabalho que necessitou dedicação e foco. Minha empolgação foi ao encontro de uma boa apresentação, conseguindo, desta forma, interagir com os colegas que atuam presencialmente, bem como a docente que, visivelmente, ficou satisfeita com o trabalho.

Diante das duas unidades currículares escolhidas, tive aprovação, sem necessidade de  exame final para recuperação de nota. Muito gratificante a interação que tivemos!

Agradeço mais uma vez a oportunidade e  gostaria que mais estudantes se interessassem em se dedicar e aprender com outras instituições.

Relato de Edivaldo Lubavem Pereira | Aluno do curso de especialização em Tecnologias para Educação Profissional do Cerfead 

Olá, muito prazer. Me chamo Edivaldo, tenho 33 anos e resido do município de Orleans/SC localizado na região sul catarinense. Sou graduado em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela Unisul (2010), licenciado em Educação do Campo com ênfase em Ciências na Natureza e Matemática pela UFSC (2016), licenciado em Educação Profissional e Tecnológica (complementação pedagógica) pelo IFSC (2020), especialista em Educação Científica e Matemática e em Gestão Escolar - ambas também pelo IFSC (2020) - e mestre em Educação pela UDESC (2021). Recentemente conclui a especialização em Tecnologias para Educação Profissional, ofertada pelo Cerfead.

Inicialmente passei por uma grande adaptação, onde recebi da coordenação do Instituto Politécnico o endereço eletrônico, login e senha para acessar a plataforma zoom e participar das aulas. No período de adequação, surgiram várias descobertas, o que me permitiu avançar cada etapa do intercâmbio, porém algumas delas exigiram maior entendimento - a exemplo da linguagem, o ritmo das aulas, os textos de leituras, a plataforma moodle - a fim de compreender o funcionamento do Instituto Politécnico de Setúbal.

Expresso por essas linhas o quão foi significativo ter participado do intercâmbio de Mobilidade Virtual, em parceria entre o IFSC e IPS. A professora Ana Moura. titular da disciplina intitulada “Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem”, me acolheu de forma gentil, mostrando-se a todo tempo aberta, solícita e compreensiva. Minha experiência é fruto da colaboração entre as instituições de ensino que ampliou minha bagagem acadêmica e pessoal.

Ressalto ainda que, a convite da professora Ana, me foi concedido espaço para partilhar experiências sobre Paulo Freire, dentre outras concepções que versam o legado da pedagogia Freiriana no Brasil. Destaco que esta aula foi enriquecedora, discutimos reflexões acerca da educação, da política, da formação acadêmica no contexto brasileiro.

Outro marco importante refere-se à elaboração do trabalho final entre equipes. Foi muito importante essa articulação porque tivemos que nos organizar em horários alternativos, nos finais de semana em que os integrantes pudessem participar. Minha equipe e eu achamos pertinentes apresentar elementos que compõe as fases da adolescência, extraídos do livro intitulado “Adolescência – uma interpretação psicanalítica”” , escrito pelo psicanalista alemão Peter Blos, sugerido pela professora Ana. Durante sua elaboração, utilizamos os recursos tecnológicos de WhatsApp, e-mail e google drive que potencializaram a comunicação para a elaboração do trabalho.

No que se refere aos conteúdos, os primeiros encontros abordados versaram sobre as concepções da Aprendizagem que explorou a visão Behaviorista, Construtivista, os conceitos de Socioconstrutivismo e Sociointeracionismo, bem como a Sociedade do Conhecimento, as Estruturas Cognitivas do estudante e a relação entre Aprendizagem Significativa e aprendizagem Cooperativa. No segundo período fora estudado acerca de Vygostsky e a Teoria Histórico-Cultural que contemplam as etapas da aprendizagem e o desenvolvimento global da criança. No período seguinte, as investigações de Erik Erikson tomaram corpo e, a partir dele, as discussões sobre a Teoria do Desenvolvimento Psicossocial e os Estágios do  desenvolvimento Psicossocial findaram o terceiro momento.

Para finalizar, deixo registrado que tal experiência contribuiu para minha formação acadêmica e pessoal. Para mim, o intercâmbio é a oportunidade que o acadêmico tem para inovar sua visão social e ampliar sua bagagem cultural. Tive a alegria de poder argumentar sobre o desenvolvimento educacional das escolas Públicas do Município de Orleans e os desafios que a Educação necessita vencer na contemporaneidade. No entanto, os colegas portugueses demonstraram empatia e me acolheram calorosamente, sempre à disposição. 

Logo nos primeiros encontros, eles adicionaram-me no grupo de WhatsApp da turma, a professora Ana retornava meus e-mails com frequência e a coordenação do Instituto Politécnico de Setúbal se manteve solicita durante o intercâmbio.

Relato de Gabriel Fernandes Bino | Aluno do curso de Sistemas de Informação do Câmpus Caçador

Durante o período das aulas, foram desenvolvidas algumas habilidades com a linguagem de programação C, como a criação de procedimentos e funções, o pensamento lógico para escrever algoritmos e o desenvolvimento de aplicações utilizando matrizes. 

O grande desafio encontrado foi conciliar o tempo para realizar as atividades do curso e da faculdade dentro do prazo. Cada aula tinha a sua lista de atividades para ser entregue até a aula seguinte. Para realizar as listas de atividades era necessário consultar os slides da aula e pesquisar alguns assuntos pontuais na internet, não colocados nos slides pelo professor de  forma proposital, para instigar o desejo pela busca por mais informações.

Participar deste programa de mobilidade virtual no IPS foi incrível, não só pelo conhecimento adquirido com a linguagem de programação C, mas principalmente pela oportunidade de ampliar a rede de contatos com professores e estudantes no exterior.

Relato de Marcia Romão | Aluna do curso superior de tecnologia em Gestão de Turismo do Câmpus Florianópolis-Continente

A minha experiência na Universidade de Deusto me motivou bastante a buscar por outras chances de estudar fora do país. A oportunidade de adquirir novos conhecimentos e aprender de uma forma bem diferente da que estou habituada, foi gratificante. 

A mobilidade virtual me possibilitou conhecer uma outra cultura, interagir com colegas do mundo todo e de diversos cursos. Fiz ótimas amizades com colegas de outros países, como Chile e Irlanda, meninas maravilhosas que me ensinaram muito e que ficaram minhas amigas na vida pessoal também.

Fiz duas disciplinas e as aulas foram muito boas. Os docentes são muito capacitados e os colegas de aula muito motivados. A pontualidade é britânica e a rapidez com que fazem as tarefas é inacreditável. 

Houve atividades em grupo, apresentações de trabalhos e a utilização do Google Meet para as aulas síncronas e do Moodle para a as atividades facilitou bastante, uma vez que utilizo em alguns cursos do IFSC. Pude aproveitar bem os conteúdos e a vivência com os professores e os colegas de curso, sempre dispostos a ajudar, o que foi muito bom, pois era uma metodologia nova, em outro idioma e as disciplinas foram bem puxadas, com muitas atividades, bem acima do que estamos habituados aqui no Brasil.

Uma das disciplinas foi muito enriquecedora, pois a professora é maravilhosa e me motivou muito a estudar. Sempre conversava com ela antes da aula e aprendi muito com sua experiência. A forma como a professora distribuía as atividades fazia com que todos conseguissem acompanhar a disciplina e sua dinâmica de trabalho era excelente. Fiquei muito feliz em ter sido a melhor aluna da disciplina e irei aproveitar muito essa experiência no meu dia-a-dia, sempre será uma boa lembrança.

Em outra disciplina, a situação foi um pouco diferente, pois como os cursos são na Língua Espanhola e, apesar de conseguir compreender bem, senti um pouco de dificuldade em fazer os testes e as provas no tempo exigido pela professora, porém acredito que estudar em outro país, com outra cultura, é um desafio que nos estimula a seguir em frente e, sobretudo, aperfeiçoar a língua nativa do país. Apesar de sentir dificuldade, fui bem na disciplina, o que também me motiva a enfrentar novos desafios em outras instituições de ensino.

Também participei do Virtual Buddy Program, onde tivemos encontros mensais com alunos do mundo todo e fiz novas amizades. Eu sempre quis estudar em outro país e a oportunidade na Universidade de Deusto sem dúvida foi perfeita. Vale a pena fazer uma mobilidade acadêmica e espero repetir essa experiência em outras universidades, pois é sempre bom sair da zona de conforto, adquirir novos conhecimentos e fazer novas amizades.

BLOG DOS INTERCAMBISTAS

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.