Pular para o conteúdo

Notícias

Libras: entenda a Língua Brasileira de Sinais

BLOG DO IFSC Data de Publicação: 21 set 2022 09:40 Data de Atualização: 27 set 2022 10:16

No dia 26 de setembro, comemoramos o dia nacional dos surdos. Neste ano, a data se torna ainda mais especial porque a Lei nº 10.436/2002, que reconheceu a Língua Brasileira de Sinais - Libras como um meio legal de comunicação e expressão, completa 20 anos de publicação.

No post de hoje, reunimos uma série de materiais para você conhecer um pouco mais a Libras e também ficar por dentro do que é desenvolvido no IFSC nesta área. A professora do Câmpus Palhoça Bilíngue Simone Lima nos ajudou nessa tarefa. 

Luta e reconhecimento

O Dia Nacional dos Surdos foi criado pela Lei nº 11.796/2008. A data celebra as conquistas alcançadas pelas pessoas surdas ou com deficiência auditiva e também convida à reflexão sobre a inclusão dos surdos na sociedade. O dia 26 de setembro foi escolhido em homenagem à data de fundação do Instituto Imperial de Surdos-Mudos em 1857 no Rio de Janeiro, hoje atual Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES.

O objetivo do instituto era integrar as pessoas surdas à sociedade. Por isso, o imperador Dom Pedro II convidou um professor francês, Ernest Huet, para lecionar para esse público. Ernest também era surdo e ministrava suas aulas em Língua de Sinais Francesa e permaneceu à frente do instituto até 1961, quando mudou-se para o México.

A partir do trabalho de Huet e dos sinais utilizados pelos surdos no Brasil, desenvolveu-se a Língua Brasileira de Sinais, conhecida como Libras.

Huet deu início à Educação de Surdos com base na visualidade dos surdos. Esse método de privilegiar a visão predominou até o começo do século XX, quando em 1880 ficou definido que o ensino para surdos deveria ser ministrado por meio da oralidade. Essa decisão foi tomada no Congresso de Milão, na Itália, e a partir daí foi proibido o uso de sinais para a educação de pessoas surdas, além de inferiorizar quem usava as línguas de sinais.

No Brasil, apesar das proibições, a Língua de Sinais persistiu e continuou sendo utilizada pelos surdos, chamando a atenção de pesquisadores no mundo inteiro. Em 1960, um importante estudo deu status linguístico às línguas de sinais desconstruindo o mito de que as línguas de sinais seriam apenas gestos originados das línguas orais. 

Por aqui, foi a partir de 1970 que se passou a compreender que o uso exclusivo da oralização não garantia o desenvolvimento do aprendizado do aluno surdo. Assim, o ensino para surdos passou a ter também a proposta de uma educação bilíngue, onde a Libras é considerada uma primeira língua e o português escrito uma segunda língua.

Hoje os surdos que são usuários da língua de sinais consideram o mês de setembro o mês da consciência surda, o que representa a luta pela visibilidade na sociedade, ou seja, luta para que sejam vistos como cidadãos e tenham respeitados seus direitos sociais e linguísticos. 

No Brasil, essa tendência durou até a década de 1970, a partir daí se passou a compreender que o uso exclusivo da oralização não é suficiente para desenvolver o aprendizado do aluno surdo ou com deficiência auditiva. Assim, o ensino passou a ser bilíngue entre o português e a Libras.

E aquele instituto brasileiro para surdos, o que aconteceu?

Mais de 160 anos depois, o instituto ainda está em atividade, mas mudou o nome para Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). O INES dedica-se até hoje ao ensino bilíngue de pessoas surdas no Brasil. A mudança no nome reflete a superação do uso errôneo do termo surdo-mudo. Uma pessoa com deficiência auditiva, independente do grau, não possui obrigatoriamente incapacidade de produzir fala. Por isso, fica a dica para cortar esse termo do seu vocabulário.

Língua Brasileira de Sinais

Trinta anos depois que a Libras voltou a ser utilizada para o ensino, foi sancionada no Brasil a Lei nº 10.436/2002. Essa lei a reconheceu como meio legal de comunicação e expressão, reconhecendo também os outros recursos de expressão a ela associados. 

Em 2022, a Lei completou 20 anos. Confira o vídeo que resume as conquistas alcançadas nessas duas décadas:


A promulgação da lei contribuiu para a disseminação da Libras e também para, em 2005, a assinatura do decreto nº 5.626/2005. O decreto incluiu a Libras como unidade curricular, dispôs sobre a formação dos professores e intérpretes, bem como sobre uma série de garantias de acesso à educação, saúde e trabalho para pessoas surdas ou com deficiência auditiva.

Em 2010, foi sancionada a Lei nº 12.319, que regulamenta a profissão de tradutor e intérprete de Libras.  Esse profissional é o responsável por fazer a ponte comunicativa entre surdos e ouvintes (como são chamadas as pessoas que escutam), unindo duas línguas, o português e a Libras, que possuem estruturas muito diferentes.

-> Quer saber mais sobre a profissão de tradutor e intérprete de Libras? Leia esse post! 

Já em 2015, foi sancionada a Lei nº 13.146, que instituiu a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), que visa assegurar, em condição de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais das pessoas com deficiência. Quatro anos depois, em 2019, o MEC criou a Diretoria de Políticas de Educação Bilíngue de Surdos e, em 2021, a educação bilíngue foi inserida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

Nesses 20 anos, houve avanço nesse tema, mas ainda é comum que as pessoas pensem que para se comunicar com os surdos basta escrever, o que não é necessariamente verdade. Por isso, é tão necessário estimular o aprendizado da Libras, e essa é uma das preocupações do IFSC.

Temos um câmpus bilíngue Libras-Português

Desde 2010, o IFSC conta com o Câmpus Palhoça Bilíngue, que deu um grande passo para o avanço na educação para surdos. Fomos o primeiro instituto federal a ter um câmpus bilíngue libras-português.

No Câmpus Palhoça Bilíngue, os alunos surdos têm aulas de português como segunda língua (assim como alunos ouvintes têm Libras como L2, sigla para segunda língua). Assim, todos os alunos - independente do nível e do curso - que passam por aqui têm disciplinas para aprender o básico de Libras. Além delas, todos os alunos cursam também a disciplina Cultura Surda, que tem o objetivo de aproximar o ouvinte da perspectiva da pessoa surda no mundo ouvinte.

Veja o que a aluna do curso Integrado em Comunicação Visual, Ana Júlia Kemer, e a egressa do curso, Carolina Stefany Kich da Silva, expressaram sobre a Libras:


Muita gente fica curiosa para saber como funcionam as aulas e a gente explica. O câmpus recebe alunos surdos e também alunos ouvintes, a língua em que será ministrada a aula vai depender da turma, e nesse caso existem três possibilidades. Por exemplo, se determinada turma é composta apenas de alunos ouvintes, as disciplinas serão ministradas apenas em Português. Já se todos os alunos da turma forem surdos, então, as aulas serão ministradas em Libras. E na terceira situação, em que temos alunos ouvintes e surdos na mesma sala, as disciplinas são ministradas em Português e contam com um intérprete.

Os cursos ofertados em nível médio técnico são o Técnico Integrado em Comunicação Visual e o Técnico Integrado em Tradução e Interpretação de Libras-Português. Em nível superior, tem o curso de Pedagogia Bilíngue (Libras-Português) e também duas especializações: Educação de Surdos e Tradução e Interpretação de Libras-Português

Também é oferecido o curso de Capacitação em Atendimento ao Estudante Surdo, voltado aos professores da rede pública e atualmente oferecido a distância.

-> Conheça os cursos do Câmpus Palhoça Bilíngue

Além disso, tanto o Câmpus Palhoça Bilíngue quanto outros câmpus do IFSC oferecem cursos de qualificação em Libras. Se quiser ser avisado quando estivermos com inscrições abertas, deixe seu e-mail no nosso Cadastro de Interesse.

Também temos projetos envolvendo Libras, como é o caso deste do Câmpus Canoinhas que divulgou o curso técnico em Alimentos com audiodescrição e tradução em Libras. No Câmpus Lages, um servidor lançou um livro sobre Libras para crianças.

Aprenda o básico de Libras

Cada vez mais tem se tornado comum o aprendizado da Libras. Inclusive, temos uma série de vídeos disponível no nosso canal do YouTube com ensinamentos básicos. Os vídeos foram produzidos por estudantes do próprio Câmpus Palhoça Bilíngue:


-> Veja aqui todos os vídeos da série

Sabia que um projeto do Câmpus Palhoça Bilíngue desenvolveu um glossário com verbetes em Libras? Acesse aqui.

Receba os posts do Blog do IFSC

Veja tudo o que já publicamos no Blog do IFSC clicando aqui. Se quiser sugerir algum tema para explicarmos aqui no Blog do IFSC, mande um e-mail para blog@ifsc.edu.br.

Você também pode receber nossos posts no seu e-mail sempre que forem publicados fazendo seu cadastro aqui.

BLOG DO IFSC BLOG DO IFSC

Nó: liferay-ce-prod01

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.