Pular para o conteúdo

Notícias

Equipe de estudantes volta do Canadá com dois prêmios na maior competição de robótica do mundo

ENSINO Data de Publicação: 17 abr 2019 13:22 Data de Atualização: 17 abr 2019 13:37

Os integrantes da Magic Island FRC 5800, equipe de robótica formada por alunos do Câmpus Florianópolis, retornaram da maior competição de robótica do mundo com dois prêmios. O Team Spirit Award, homenagem à equipe que melhor promoveu os objetivos da disputa, e o Dean’s List, dado à Yumi Antunes Kaneko, por ser exemplar e representar os princípios da competição e do Steam (sigla em inglês para Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática), uma metodologia integrada e baseada em projetos, pautada em formar cidadãos com diversos conhecimentos.

Foi o quarto ano de participação da Magic Island na a First Robotic Competition (FRC), e a primeira vez em que eles participaram de uma etapa fora dos Estados Unidos – a disputa foi em Quebec, no Canadá, no começo de abril. “Tivemos uma experiência completamente nova. Além de ser nossa primeira competição oficial da FRC fora dos EUA, também foi nosso primeiro contato com uma cultura tão rica como a canadense. Dentro e fora da competição podemos sentir como se estivéssemos no Brasil, eles tem um carisma que lembra muito o pessoal daqui. Tirando a língua francesa era quase como se fossemos irmãos”, brinca Bruno Cipriano Nunes, aluno do curso superior de Tecnologia em Eletrônica Industrial e integrante do time desde 2015.

Segundo ele, cerca da metade dos integrantes que viajaram (16 de um total de 38) teve nessa viagem sua primeira experiência internacional. “A organização da competição em si foi de alto padrão, pessoas muito atenciosas e preocupadas em proporcionar uma boa experiência a todas as equipes. Fizemos muitas novas amizades, entre elas uma equipe chamada Ultime, que nos convidou para visitar sua escola e ver o local onde trabalhavam. Foi uma experiência incrível”, conta. 

Já Yumi recebeu o Dean’s List com muita alegria. “Quando eu recebi a notícia fiquei muito emocionada, não imaginava que eu poderia concorrer a um prêmio apenas por ser quem sou e me comportar de tal maneira”, lembra. Segundo ela, que é estudante do curso técnico integrado de Química, a escolha começou dentro da própria equipe, onde ela e um colega, Augusto Silveira da Silva, foram eleitos para participarem desse prêmio em especial. 

Os mentores da Magic Island escreveram então um texto sobre cada um, enviado à organização regional antes da seletiva. Uma banca de juízes seleciona os inscritos e realiza uma entrevista individual com os concorrentes. “Fiquei extremamente feliz e grata a todos os juízes que me avaliaram, principalmente aos meus mentores que me indicaram e escreveram um texto tão bonito e, é claro, à minha família que me deu a oportunidade de estar la para recebê-lo, participar da equipe e da competição e por terem me dado uma educação tão boa quanto me deram, o que me fez chegar onde estou hoje, e sempre me motivam a buscar ainda mais”.

ENSINO CÂMPUS FLORIANÓPOLIS