Pular para o conteúdo

Notícias

Alunos do IFSC conquistam 121 premiações na Obmep 2019

ENSINO Data de Publicação: 10 dez 2019 14:54 Data de Atualização: 10 dez 2019 14:57

No início, em nível nacional, eram 18 milhões de inscritos. Passada primeira fase, 356 alunos do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) são classificados, ao lado de quase 800 mil estudantes, para etapa final da 15ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep 2019). No “final das contas”, o IFSC conquistou 121 premiações do total de 550 medalhas e menções honrosas atribuídas em todo o estado de Santa Catarina. As cerimônias de premiação acontecerão durante 2020, em data a ser definida.

Estudantes de 16 dos 22 câmpus do Instituto Federal de Santa Catarina foram premiados na Olimpíada, contemplando todas as macrorregiões catarinense. Foram 101 menções honrosas, nove medalhas de bronze, oito de prata e três de ouro.

Estudantes do Câmpus Joinville conquistaram cinco medalhas - uma de ouro, uma de prata e três de bronze - e 19 menções honrosas na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) 2019, conforme resultado divulgado no último dia 3. O ouro foi conquistado por Luis Roberto Quintanilla Torrez, do Ensino Médio Técnico Integrado em Eletroeletrônica, e a prata por João Marcos de Oliveira, de Mecânica. Gustavo Fabianno Pereira e Romero Perardt Magalhaes Brito, de Mecânica, e Manuela Martins da Rosa, de Eletroeletrônica, conquistaram medalhas de bronze.

Meta internacional

A única medalha de ouro obtida por aluno do ensino médio em Joinville é do estudante Luis Roberto Quintanilla Torrez, do 1º módulo de Eletroeletrônica, que fez a prova da segunda fase pelo IFSC e a primeira pela Escola de Educação Básica João Colin, onde estudou até o mês de julho.

Esta é sua segunda medalha de ouro na Obmep, olimpíada em que participa desde o 6º ano, e em que obteve outras duas medalhas de prata e uma de bronze. Por conta do ouro no ano passado e da sétima posição no ranking nacional, Luis Roberto participou de um treinamento intensivo neste ano, com quatro encontros presenciais, três em São Paulo e um no Rio de Janeiro, nos meses de maio, julho, agosto e setembro.

Segundo ele, o treinamento o ajudou na conquista do ouro deste ano, mesmo com o conteúdo da prova ser equivalente ao de todo ensino médio. Outra justificativa para o bom desempenho ainda no 1º módulo está ligada ao seu objetivo maior, que é participar da Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) e conseguir a classificação para a Olimpíada Internacional de Matemática (IMO).

Quem também tem como objetivo participar da Olimpíada Internacional de Matemática é Gustavo Fabianno Pereira, do 4º módulo de Mecânica, que conquistou sua primeira medalha na Obmep pelo IFSC. No ano passado, ele recebeu menção honrosa. No ensino fundamental, ele já havia conquistado duas medalhas de bronze e uma de ouro, pela Escola Municipal Professora Thereza Mazzolli Hreisemnou.

Por conta das medalhas, ele participa do Programa Mentores da Obmep, criado para oferecer aos alunos do Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC) a oportunidade de estudar assuntos avançados em diversas áreas, com tópicos específicos que envolvam direta ou indiretamente a matemática. “Também estudo resolvendo exercícios das provas anteriores e do banco de questões, além de participar de programas de estudo”, conta Gustavo.

Esforço individual e ensino

Os alunos Felipe Elton Pazini Savi e Joao Vitor de Oliveira, que cursam o Ensino Médio Integrado no Câmpus de Jaraguá do Sul-Centro, ganharam medalha de prata nessa 15ª edição da Obmep.

Em Jaraguá do Sul, os estudantes dos cursos de ensino médio técnico conquistaram duas medalhas de prata e onze menções honrosas. Para a professora de matemática Anne Bartz, as conquistas são resultado do esforço individual dos alunos e da qualidade do ensino no IFSC. “São alunos que gostam de estudar, com autonomia e com dedicação. Essas Olimpíadas não são fáceis e o reconhecimento veio a partir do empenho desses estudantes, aliado à qualidade da formação que oferecemos em nossa escola”, afirma.

Do Oeste, foram 12 estudantes do Câmpus Xanxerê, nove de Chapecó, quatro de São Miguel do Oeste e um de São Carlos.

Este trabalho de peso na área da Matemática, em Chapecó e Xanxerê, tem sido comandado principalmente pelos professores da área, Rosangela Ramon, Graziela Sombrio, Daniel Ecco e Luciane Cecchin Mario. Eles reforçam que a participação em Olimpíadas de Matemática estimula os estudantes a buscarem conhecimentos para além dos apresentados em aula. É uma das maneiras de despertar a criatividade, o pensamento investigativo e o gosto pelo estudo, além de identificar jovens talentos e desenvolver o raciocínio lógico. “Eles se sentem motivados com os problemas olímpicos, pois não é questão de sorte, mas resultado de muito esforço, dedicação e horas de estudo”, ressalta Rosangela.

As Olimpíadas de Matemática, detalha o professor Daniel, também ajudam a diminuir o abismo entre a pesquisa Matemática no Brasil e o ensino da Matemática nas escolas, “pois por um lado estamos na elite mundial das pesquisas em Matemática, junto a apenas mais dez países; por outro lado, boa parte dos nossos jovens acabam o Ensino Médio sem saber o básico da Matemática”.

Essa 15ª edição registrou um novo recorde de escolas participantes, 54.831, entre instituições públicas e privadas. Desde 2017 a prova foi aberta para escolas particulares também.

ENSINO