Pular para o conteúdo

Notícias

Representante do Instituto Politécnico do Porto visita IFSC e fala sobre possibilidade de parceria

CÂMPUS FLORIANÓPOLIS-CONTINENTE Data de Publicação: 05 jun 2018 11:09 Data de Atualização: 05 jun 2018 11:48
A parceria entre o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e o Instituto Politécnico do Porto (IPP) vai completar 10 anos em 2019. É a parceria internacional do IFSC mais diversificada, a que mais desenvolveu projetos e que mais promoveu intercâmbio de estudantes.
 
O ex-vice-reitor e professor coordenador principal do IPP, Carlos Ramos, esteve em Santa Catarina, onde participou da reunião do Conselho Superior (Consup) em Garopaba, palestra de abertura do Fórum de Tecnologia, Empreendedorismo e Inovação (Fortei) e visita ao câmpus e Órion Parque em Lages, visita aos câmpus Tubarão e Florianópolis – Continente, além de visitas a pontos turísticos da Serra Catarinense e Florianópolis. Ramos conversou com servidores e alunos e falou sobre o estreitamento de laços e possibilidade de novas parcerias e projetos.
 
Na sexta-feira (19), Ramos visitou o Câmpus Florianópolis – Continente. Reuniu-se com servidores, conheceu as instalações e conversou com alunos. Segundo o diretor do câmpus, professor Caio Martini Monti, a intenção é firmar parceria para intercâmbio de alunos e servidores dos cursos das áreas de turismo e gastronomia, além do desenvolvimento de projetos em conjunto. Segundo Ramos, o IPP tem uma escola de Hotelaria e Turismo, que poderá receber alunos do IFSC para intercâmbio e estágio e, ainda, possibilidade de projetos de dupla titulação, intercâmbio de professores e outros projetos em conjunto.
 
Ramos elogiou a infraestrutura do Câmpus Florianópolis – Continente. Ele já havia visitado o local em 2012 e afirma que as instalações evoluíram bastante após a ampliação. Disse que o câmpus está muito bem equipado, com excelentes condições de ensino.
 
Parceria de sucesso
 
O IFSC foi o primeiro Instituto Federal brasileiro a firmar parceria com o IPP, em 2009. A primeira ação da parceria foi o intercâmbio por meio do programa Propicie, que até agora já enviou 106 alunos para o Instituto Politécnico do Porto, instituição que mais recebeu alunos do Instituto Federal de Santa Catarina até agora, mais da metade dos intercambistas do programa. Atualmente, há 19 estudantes do IFSC realizando intercâmbio pelo Propicie no IPP e outros quatro fazendo dupla titulação.
 
“É uma parceria que tem tido muito sucesso porque permitiu que os alunos fossem para lá, e que devido a isso os professores de uma instituição e de outra entrassem em contato, e que depois surgissem projetos comuns entre as duas instituições”, destaca Ramos. Programas de pesquisa e internacionalização, como o Erasmus, são financiados pela União Europeia e têm o IFSC como participante a partir da parceria com o IPP. Eficiência energética, redes elétricas inteligentes e laboratório remoto são alguns dos principais exemplos.
 
Segundo Ramos, o relacionamento entre as duas instituições é muito forte. Em 2017, foi assinado acordo de dupla titulação em Engenharia Elétrica. Ou seja, o aluno de graduação pode fazer disciplinas e a dissertação na Europa e validar os créditos, recebendo os diplomas de graduação e de mestrado.
 
A assessora de Assuntos Estratégicos e Internacionais, Raquel Matys Cardenuto, lembra que a parceria com o IPP é a mais diversificada mantida pelo Instituto Federal de Santa Catarina, pois além do intercâmbio estudantil, engloba também intercâmbio de professores, dupla titulação e projetos de pesquisa em diversas áreas. Destaca também que o professor Carlos Ramos sempre esteve muito atento e disponível ao IFSC, inclusive recebendo muito bem os alunos da instituição em Portugal.
 
Há também alunos do IPP fazendo intercâmbio no Brasil, como estudantes de graduação em Engenharia Mecânica. Pesquisadores e professores portugueses também têm vindo ao Brasil para o desenvolvimento de projetos da União Europeia. “A mensagem clara que fica aqui é que a aposta na internacionalização e na mobilidade dos estudantes pode abrir a possibilidade de as instituições se conhecerem melhor e fazerem candidaturas a projetos, duplas titulações, e encontrarmos aqui um ecossistema que seja sustentável. Ou seja, que possamos fazer um aporte financeiro na internacionalização para irmos mais adiante, tendo a capacidade de buscar mais projetos e financiamento externo, seja da União Europeia, do governo português ou do Brasil, para concretizar uma série de iniciativas”, destaca.
 
A impressão sobre os alunos brasileiros de intercâmbio é bastante positiva. Segundo Ramos, a maioria dos alunos do Instituto Federal em intercâmbio no IPP são de nível técnico. Eles trabalham em grupos de pesquisa em conjunto com estudantes de graduação, de mestrado ou doutorado, e têm um desempenho bastante satisfatório. “Temos experiência consolidada, com grupos que recebem alunos do IFSC todos os semestres. Estamos agora lá com 19 alunos, o maior número que tivemos em um semestre só. As coisas estão correndo muito bem e estamos muito satisfeitos e disponíveis para receber novos alunos do Instituto Federal de Santa Catarina”.
CÂMPUS FLORIANÓPOLIS-CONTINENTE