Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto usa a Meteorologia como ferramenta de aprendizagem no Ensino Fundamental e Médio

EXTENSÃO Data de Publicação: 26 jul 2022 10:58 Data de Atualização: 03 ago 2022 18:51

Jogos eletrônicos e de tabuleiro, quiz, almanaque são alguns dos objetos de aprendizagem desenvolvidos nas aulas de Projeto Integrador (PI) do curso Técnico Subsequente em Meteorologia, para uso e auxílio didático dos estudantes do ensino Fundamental e Médio da Escola Social Lúcia Mayvorne, localizada na comunidade do Monte Serrat, no Maciço do Morro da Cruz. “É uma forma de trazer o conceito científico e multidisciplinar de forma clara e fácil, a partir do cotidiano dos alunos. O PI tem o perfil educacional didático”, ressalta o professor e coordenador da iniciativa, Eduardo Beck.

Ele conta que o projeto “Meteorologia do cotidiano à ciência: a meteorologia como ferramenta de aprendizagem no ensino fundamental e médio”, que está em sua terceira edição, foi concebido a partir de uma parceria estabelecida entre as duas instituições de ensino. A iniciativa conta com o apoio institucional oferecido pelos editais de Integração da Pesquisa e Extensão ao Ensino (EPE), publicados anualmente pelo Câmpus Florianópolis do IFSC. A partir dos editais, são contratados alunos bolsistas para o desenvolvimento de material de apoio aos projetos integradores, como o site do projeto, bem como para a viabilização financeira para a construção ou reprodução dos objetos de aprendizagem que são concebidos pelos alunos nas unidades de Projeto Integrador.

Para os estudantes do curso Técnico em Meteorologia, o projeto representa uma significação mais profunda daquilo que eles propõe e concebem nas atividades das unidades curriculares de Projeto Integrador, além de propiciar uma atividade mais comprometida com as proposições de pesquisa e extensão do IFSC, colaborando de forma fundamental em sua formação profissional. “Além disso, o projeto incentiva a participação mais direta através de bolsas de extensão, o que propicia uma renda extra para alunos que necessitam desse apoio, e uma dedicação mais intensa no processo de trabalho”, argumenta o professor.

“A participação dos professores do Lúcia, denominação carinhosa para a escola parceira, tem sido fundamental para a construção bem direcionada dos projetos, sendo que as propostas normalmente são apresentadas aos professores da escola, que criticam e indicam caminhos e faixas escolares de aplicação”, destaca Beck. Segundo Eduardo, após o retorno presencial, tanto no IFSC quanto na escola parceira, o processo de interação entre as duas entidades se modifica, tendo agora a participação do conjunto dos professores, que aplicarão os projetos em suas aulas e devem incluir os objetos de aprendizagem em seus planos de ensino, e não mais apenas os coordenadores e articuladores da escola, como vinha ocorrendo durante a pandemia. 

Produção

Vários projetos integradores já foram desenvolvidos ao longo dos três anos de parceria, e estão publicados no site do projeto e ou disponibilizados concretamente na escola. Os Pis, realizados em equipe, têm duração de dois semestres: o primeiro é para organizar e planejar o trabalho; e o segundo, mais prático. “No segundo semestre do ano passado, o Almanaque e Guia Meteorológico foi realizado 100% online, devido à Pandemia, e por três equipes que trabalharam concomitantemente. Ele traz todos os meses do ano, com suas características meteorológicas, dados e curiosidades para toda a comunidade. Os temas aparecem misturados ao longo do almanaque, que está dividido nos meses do ano, sendo que cada mês também busca trabalhar um tema em especial, como o vento em janeiro, as mulheres na ciência em fevereiro, o outono em março e assim sucessivamente. Traz ainda informações sobre astronomia, com conceitos, planetas e mitologia; prevenção, com dicas sobre o que fazer em casos de eventos meteorológicos; e regionalidade, trazendo termos e ditos populares ligados à Meteorologia”, conta Eduardo, que complementa: “as professoras de física e química da escola já se propuseram a utilizar o almanaque em suas aulas, devendo montar seu plano de aula para o terceiro trimestre deste ano, sendo este plano apresentado em reunião de planejamento em setembro próximo”.

O primeiro a ser produzido foi O Jogo do Tempo: aprendendo Ciências, no primeiro semestre letivo de 2020. O jogo de tabuleiro traz a Meteorologia como tema, onde os participantes devem identificar um termo a partir de dicas. Ainda no mesmo período letivo, foi desenvolvida a Estação Meteorológica como Ferramenta Educacional Escolar Multidisciplinar: material instrucional sobre o uso da estação meteorológica de baixo custo instalada na escola parceira. 

Depois foram desenvolvidos o Diário de Observação Meteorológica: Temperatura, Precipitação e suas Nuvens, que consiste em um guia de instalação e observação de instrumentos caseiros a serem utilizados por estudantes em suas casas; um plano de uma gincana envolvendo a estação meteorológica da escola e atividades físicas; uma Horta Vertical Escolar, além de um jogo digital baseado no Jogo do Tempo, e que pode ser configurado pelos professores do Lúcia. 

Atualmente, a turma do Projeto Integrador está desenvolvendo um Simulador de vórtice atmosférico. “Eles estão finalizando o sistema concreto que simula um vórtice atmosférico, como um tornado, e um Simulador de circulação atmosférica, ainda em projeto, que simula o funcionamento da circulação geral da atmosfera.

“Está prevista para edições futuras a ampliação do processo de definição dos projetos integradores, passando a idealização também vinda dos alunos e professores do Lúcia, em um caminho mais direto e contextualizado do que esse que atualmente estamos trabalhando”, revela o coordenador. 

EXTENSÃO

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.