Pular para o conteúdo

Notícias

Câmpus Itajaí passa a integrar o Programa Escola Azul

ENSINO Data de Publicação: 26 set 2022 17:10 Data de Atualização: 14 out 2022 18:19

O Câmpus Itajaí é o mais novo integrante do Programa Escola Azul, que é organizado no Brasil pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e pelo Programa Maré da Ciência da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) . O título se dá pelo reconhecimento do trabalho realizado em prol da cultura oceânica. “A Aliança Internacional pela Cultura Oceânica já tem uma rede de escolas azuis em países como Portugal, Reino Unido e Estados Unidos. No Brasil, esse trabalho começou a ser feito pelas instituições que compõem a Aliança Brasileira pela Cultura Oceânica. Geralmente o reconhecimento se dá a partir de um projeto desenvolvido pela escola que seja voltado para o conhecimento dos oceanos. No caso de Itajaí, ao invés de inscrever apenas um projeto, nós inscrevemos o Câmpus porque temos itinerários formativos para o mar que envolvem a formação de pescadores, cursos técnicos e de pós-graduação, o que permite a verticalização do ensino das ciências marinhas”, avalia a coordenadora da pós-graduação em “Ciências marinhas aplicadas ao ensino”, Janaína Bannwart.

A professora explica que o título é uma forma de reconhecer o trabalho desenvolvido e de ampliar as parcerias. “Ao entrar para esta rede, o trabalho desenvolvido pelo Câmpus ganha mais visibilidade, possibilita que possamos estabelecer novas parcerias, o que pode fortalecer trabalhos de educação ambiental já desenvolvidos pelo Câmpus como o “Aprendendo com o mar”, que promove ações de educação ambiental com escolas da região no barco-escola.”

O Programa Escola Azul conta ainda com a colaboração da Unesco, Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, British Council e Fundação Grupo Boticário que integra a rede All-Atlantic Blue Schools.  

Olimpíada Brasileira do Oceano

Além do título de “Escola Azul”, o projeto de extensão “Tartaruga-de-mamão”, do Câmpus Itajaí, foi um dos vencedores da Olimpíada Brasileira do Oceano 2021 que também é promovida pelo Programa Maré da Ciência da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), British Council, Unesco, Fundação Boticário, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar. O projeto, criado em 2017, a partir de um trabalho de educação ambiental se inspirou na história do boi-de-mamão, que narra a história do vaqueiro Mateus que ao ver seu boi morto tenta ressuscitá-lo, para a concepção do roteiro, das músicas, dos personagens e da construção dos figurinos e adereços. No tartaruga-de-mamão, conta-se a história de uma  tartaruga-de-couro que morre ao ingerir plásticos, pensando se tratar de águas-vivas. Para mais informações sobre o projeto, clique aqui


 

ENSINO CÂMPUS ITAJAÍ

Nó: liferay-ce-prod03

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.