Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto busca otimizar o cultivo de hortaliças em Itajaí

PESQUISA Data de Publicação: 27 jun 2019 11:49 Data de Atualização: 27 jun 2019 11:54

A pesquisa aplicada tem como característica suprir alguma demanda que busque atender o interesse público. É nesse aspecto que se enquadra o projeto do Câmpus Itajaí “Desenvolvimento de sensores de umidade do solo e folhas para a otimização do manejo no cultivo de hortaliças”, aprovado no Edital Fapesc Nº 06/2018.

A ideia do projeto surgiu após reuniões entre professores do IFSC e pesquisadores da estação experimental de Itajaí da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), onde foi percebida uma necessidade de cooperação na área de sensores para a agricultura. 

Após as reuniões, os pesquisadores do IFSC e da Epagri notaram que a solução seria o desenvolvimento de sensores de umidade do solo e da folha das hortaliças. Em ambos casos, o objetivo é viabilizar uma solução de menor custo comparado aos sensores existentes no mercado, que sejam customizados para a olericultura, e que posteriormente possam ser incluídos em uma rede de sensores sem fio com o objetivo de automatizar alguns dos processos durante o manejo.

De acordo com o professor do Câmpus Itajaí Roddy Alexander Antayhua Romero e coordenador do projeto, o desenvolvimento desses sensores é benéfico em múltiplos aspectos para a produção de hortaliças. “A adoção das tecnologias geradas por esse projeto possibilitará o aumento da eficiência produtiva, com redução dos custos de produção, o que refletirá no aumento da competitividade da cadeia produtiva da olericultura catarinense. Adicionalmente, devido ao maior controle do sistema produtivo, possibilitará a redução da pulverização de agrotóxicos, com menor risco ao agricultor e o consumidor dos alimentos produzidos nessas lavouras”, explicou.

Além de Roddy, o projeto conta com a participação do também professor de Itajaí Luiz Fernando Pozas, dos pesquisadores Marcos Lima Campos do Vale e o Rafael Gustavo Ferreira Morales, da Epagri, e de dois bolsistas do Bacharelado em Engenharia Elétrica que ainda serão definidos.

PESQUISA