Pular para o conteúdo

Notícias

Estudante do IFSC faz estágio em resort das Ilhas Canárias, na Espanha

INSTITUCIONAL Data de Publicação: 28 nov 2019 10:11 Data de Atualização: 28 nov 2019 10:29

Fazer intercâmbio em uma das principais redes de hotéis de luxo do mundo, num lugar paradisíaco como as Ilhas Canárias, é uma oportunidade para poucos e, como mostra o estudante Gabriel Gama Mendonça, do curso superior de tecnologia em Hotelaria do Câmpus Florianópolis-Continente, para quem corre atrás dessa oportunidade.

Trabalhar na Ritz-Carlton, multinacional americana de resorts e hotéis de luxo, é um das metas profissionais de Gabriel, 21 anos. Por isso, ele começou a procurar uma vaga de estágio no site Marriott Careers, da empresa Marriott, proprietária da marca Ritz-Carlton. Lá, seguindo orientação de uma professora do câmpus (Fabíola Martins dos Santos), buscou entender como funcionavam as carreiras dentro da rede.

“Lá eu fiquei sabendo do [programa] Marriott Universities e como eles dão oportunidades para estudantes do mundo inteiro realizarem práticas com eles”, conta. Dentre as vagas disponíveis, a que chamou a atenção de Gabriel foi de atendente de café da manhã no Ritz-Carlton, Abama, em Tenerife, nas Ilhas Canárias, geograficamente localizadas na costa norte da África e politicamente pertencentes à Espanha. “Apliquei para a vaga e fui classificado. Marcamos entrevistas por Skype e telefone - em poucos dias, já estava aprovado”, comenta.

Ao chegar ao hotel, o estudante do IFSC foi remanejado para a posição de atendente de reservas de restaurantes e bares externos e internos (o resort tem 10 restaurantes e dois bares). Instalado em uma mesa com computador no lobby principal, Gabriel fazia “todos os tipos de atendimentos relacionados aos restaurantes, em todos os canais e pessoalmente”, como ele mesmo explica. Entre as atividades, estavam a produção de itinerários gastronômicos, solicitações especiais, checagem de preferências e restrições, relatórios de ocupação e uso de couvers, reservas de campo de golfe e de quadras de tênis e gestão de reservas que precisavam ser realocadas por conta de mudanças na agenda dos restaurantes.

Foram quase três meses de experiência (de 15 de julho a 8 de outubro) , que Gabriel classifica como “incrível”. “Eu me senti bem recebido. Eles cumpriram com o prometido, sempre me respeitaram e ainda dão várias chances de desenvolvimento. Oferecem cursos, reconhecem esforços e bonificam os colaboradores”, diz. Para ele, o período na Espanha foi “a perfeita junção da imersão cultural e desenvolvimento profissional”.

Gabriel considera que o curso superior de tecnologia em Hotelaria preparou-o bem para o estágio. “Eu cheguei muito bem preparado em questão teórica. Eu já tinha experiência profissional por conta própria, o que me ajudou muito somado aos estágios que eu já tinha feito pelo IFSC”, relata. O fato de a empresa ser muito grande fez com que ele sentisse um pouco de dificuldade em lidar com quesitos como recursos humanos e hierarquia. “Sobre entender os processos de RH de uma empresa tão grande, também entender como funciona a contratação de um funcionário estrangeiro, receber um estagiário estrangeiro... Sobre a hierarquia, é ter que lidar com diretores, gerentes, supervisores, administradores, chefes, todos acima de sua posição. Isso fazia com que eu tivesse que reportar a muitos superiores”, detalha.


Gabriel está no último semestre do curso e apresenta seu trabalho de conclusão de curso (TCC) no próximo 6 de dezembro. O trabalho tem relação com o estágio feito na Espanha, já que ele examinou a satisfação de hóspedes estrangeiros fazendo um estudo multicaso comparativo entre o Costão do Santinho (resort de Florianópolis) e o Ritz-Carlton, Abama, a partir de avaliações online.

INSTITUCIONAL