Pular para o conteúdo

Notícias

Trabalho com óleos essenciais divulga potencial comercial de plantas aromáticas e nativas

PESQUISA Data de Publicação: 04 dez 2019 12:05 Data de Atualização: 04 dez 2019 12:11

Alecrim para melhorar a precisão em tarefas mentais; lavanda para diminuir ansiedade, insônia e enxaqueca; eucalipto para tratamento de doenças das vias respiratórias; orégano para conservação de produtos cárneos; pitanga para a hidratação da pele. Mesmo após quatro mil anos de utilização, os óleos essenciais ainda têm muito potencial a ser estudado para aplicação nas indústrias farmacêutica, cosmética e alimentar. Além das plantas aromáticas tradicionais, plantas nativas da região do Planalto Norte estão ganhando a atenção de pesquisadores do Câmpus Canoinhas.

“Estamos fazendo uma prospecção na região com espécies nativas para extração de óleos e estudo da sua viabilidade comercial”, explica o professor Luís Carlos Vieira, responsável pela disciplina de plantas medicinais, aromáticas e condimentais. “Nossa região tem plantas nativas com grande potencial, como a pitangueira, guabirobeira e as mirtáceas”, exemplifica.

“Existem muitas pesquisas com frutíferas que foram incorporadas à cultura nacional, como maçã, pera e uva, por exemplo, mas poucos trabalhos com as nossas frutíferas nativas. Estamos estudando estas plantas, os métodos de extração que se aplicam a cada espécie e como incorporar às pesquisas de novos produtos que já realizamos no IFSC”, destaca o professor Lauro William Petrentchuk.

Para atender a toda cadeia de produção, os professores Lauro e Luís Carlos estão trabalhando de forma conjunta com os alunos dos cursos técnico em Agroecologia, superior em Alimentos e Agronomia e de especialização em Desenvolvimento Rural Sustentável, além de oficinas para a comunidade externa. As pesquisas envolvem a identificação da composição dos óleos, métodos de extração, utilização em novos produtos e benefícios reais, sempre levando em conta a conservação dos recursos naturais, com o manejo sustentável da mata nativa e o cultivo orgânico.

Entusiasmados com o tema, os professores chegaram a fazer uma capacitação em Plantas aromáticas e óleos essenciais, oferecida pela Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, Portugal.

PESQUISA