Pular para o conteúdo

Notícias

Conheça o trabalho da professora Fernanda Argoud e de como ele foi fundamental para a abertura do curso de Engenharia Elétrica

CÂMPUS ITAJAÍ Data de Publicação: 05 mar 2020 11:07 Data de Atualização: 05 mar 2020 11:24

Quem entra na graduação da Engenharia Elétrica do Câmpus Itajaí talvez não tenha a noção de como o esforço da professora Fernanda Argoud foi fundamental para a abertura do curso. Foi ela a responsável por fazer todo o estudo para justificar a implementação do curso em Itajaí, o primeiro e o único de graduação ofertado pela instituição na cidade. “Na época, Itajaí tinha o segundo maior PIB do estado e não tinha nenhum curso de graduação pública no município e eram poucos os que haviam nas 11 cidades que compõem a Associação dos municípios da região da Foz do rio Itajaí (Amfri). Eu fiz um estudo de mercado para investigar o número de documentos de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), que são emitidos por engenheiros, em Itajaí e o número de pessoas que saíram da cidade para fazer engenharia na UFSC.”

Fernanda conta que o curso também foi estruturado para que se pensasse na formação de um engenheiro generalista e que as atividades complementares, que são fundamentais para a curricularização da extensão, fizessem parte da trajetória acadêmica dos alunos já nas primeiras fases do curso. “Itajaí não é referência na geração e transmissão de energia elétrica e por isso não havia como se pensar na formação de um engenheiro específico para essas áreas, pensamos em um híbrido de todas as engenharias. Para montar o curso, fizemos uma criteriosa análise de todas as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs), que orientam que o curso deve ofertar uma série de atividades complementares, e juntamos a isso todo o trabalho que o IFSC desenvolve com extensão. O que fez com que 10% da carga horária da Engenharia Elétrica do Câmpus Itajaí, o que equivale a 400 horas, sejam cumpridas pelos alunos com atividades complementares.”

Ela coordena uma dessas atividades e desenvolve, junto com os alunos, uma série de intervenções em escolas da rede básica de Itajaí para promover melhorias que envolvem questões de instalações elétricas, quanto de pintura ou mesmo de limpeza. Além desse trabalho, os alunos podem optar por cumprir suas atividades complementares em projetos que são desenvolvidos nas áreas de robótica, simulação computacional ou no laboratório remoto Visir.

Fernanda é a atual coordenadora do curso de Engenharia Elétrica e é a única professora da área técnica. “Eu vim para Itajaí removida do Câmpus Florianópolis e lá eu já era a única docente mulher em um universo de 32 homens, a minha turma da faculdade era composta por apenas três mulheres. O momento que eu senti o maior preconceito em sala de aula por ser mulher não foi nas aulas dos cursos técnicos ou mesmo da Engenharia, mas em um curso FIC que ofertamos. O que eu tenho observado é que é cada vez maior o número de mulheres que têm se inscrito no curso de Engenharia Elétrica de Itajaí.”

A professora tem uma extensa pesquisa na área da biomedicina. “Eu atuei por muito tempo em pesquisas sobre o processamento digital de sinais gerados por eletroencefalogramas. Cerca de 65% das pessoas que têm epilepsia apresentam algum tipo de alteração no eletroencefalograma e o meu trabalho é o de tentar identificar esses padrões porque às vezes em um exame de rotina o médico tem que analisar mais de 120 telas para só depois dar um diagnóstico.”

As pesquisas que desenvolveu no mestrado e no doutorado costumam permear suas aulas e é comum ouvir entre os estudantes que consideram a área da biomedicina como um possível campo de atuação. “Nós temos muitos alunos pró-ativos e com uma parte eu sento para aprender com eles. Hoje a maior parte é da região, mas também temos alunos que vieram de longe como do Acre e do Amazonas.  Há uma série de estatísticas que mostram como um curso superior muda não só a vida do aluno, mas de toda a família e a Engenharia contribui para mudar essa realidade. O que eu percebo também é que o curso tem ajudado a projetar o Câmpus na cidade”

 

CÂMPUS ITAJAÍ