Pular para o conteúdo

Notícias

IFSC é uma das quatro instituições de ensino catarinenses com Selo de Instituição Empreendedora Júnior

EXTENSÃO Data de Publicação: 08 jul 2020 16:52 Data de Atualização: 08 jul 2020 17:07

No final de 2019, por ocasião do Prêmio Fejesc (Federação das Empresas Juniores do Estado de Santa Catarina), o IFSC recebeu o selo Instituição Empreendedora Júnior (IES Júnior). Hoje são quatro instituições de ensino catarinenses com essa distinção. Para receber esse reconhecimento é preciso que, pelo menos, 25% dos seus cursos de graduação sejam vinculados a uma empresa júnior (EJ) federada à Fejesc. Atualmente, o IFSC tem 15 empresas juniores, sendo nove delas, federadas. O processo de federação garante que a EJ tenha a regulamentação necessária para começar a funcionar, valide seu modelo de negócios e consiga iniciar suas atividades de execução de projetos.

O Selo IES Júnior é uma forma de reconhecimento criada dentro do Movimento Empresa Júnior (MEJ) para reconhecer instituições de ensino superior que têm Empresas Juniores e buscam prestar suporte para que o ecossistema de EJs cresça e se fortaleça. “Isso demonstra que a própria instituição é um ecossistema favorável à criação de empresas juniores, para o fomento de uma educação empresarial e empreendedora. Esse reconhecimento é tanto para a comunidade acadêmica quanto para a sociedade em geral, demonstrando que sim o trabalho que o IFSC faz é resultado”, ressalta a presidente Executiva da Fejesc, Maria Eduarda Ferrari.

O diretor de Expansão da Fejesc, Davi Terra, afirma que hoje o IFSC faz parte de um seleto grupo de Instituições de Ensino Superior - 3% das IES do país - 84 das 2540 - que traz uma vivência empresarial completa a seus alunos. “Dentre os próprios Institutos, é o que tem mais cursos contemplados por Empresa Júnior, além de ser destaque nas práticas de apoio ao empreendedorismo, já tornando-se referência nacional e estadual. Em Santa Catarina é a única Instituição de Ensino Superior a crescer de 0 a 13 cursos com EJ em menos de 3 anos, sendo uma das 4 Instituições com o Selo no estado”, destaca.

Ela destaca também que o IFSC hoje é referência estadual e nacional, justamente pelo suporte prestado às empresas juniores, pelas oportunidades que consegue gerar, pela atenção da Pró-reitoria de Extensão e Relações Externas (Proex) e toda a comunidade do IFSC. “Em nível nacional por ser um dos melhores cases de trabalho de um Instituto com empresa júnior. Em outros estados, o IFSC funciona como referência para que outros institutos tenham soluções para empresas juniores, consigam realizar bons projetos para incentivar o crescimento de empresas juniores”, relata Maria Eduarda. 

Missão cumprida

Para o aluno de Engenharia Mecatrônica do Câmpus Criciúma, Daniel Delano dos Santos, o recebimento do selo prova que a missão do Movimento Empresa Júnior “Formar, por meio da vivência empresarial, empreendedores comprometidos e capazes de transformar o Brasil” em conjunto com as demais ações do IFSC estão tendo resultados. “Ver que a sociedade contemporânea está se adaptando, é algo magnífico. Sabemos que podemos aprender muito dentro da sala de aula, mas que temos potencial de adquirir muito mais conhecimento fora dela. Ter uma instituição de ensino que não só compreende, mas que proporciona isso para os alunos, é gratificante”, diz ele, que integra a empresa júnior MAJ (Mecatrônica e Automação Júnior).

Daniel afirma que o selo evidência e destaca a importância do empreendedorismo nas instituições. “Nos dá um meio de comprovação qualitativa e constata que nossas ações estão no caminho correto. Afinal, quantas instituições vocês conhecem que tem um selo empreendedor? O IFSC como sempre visando o caminho certo, aplicando conhecimento e inovação, contribuindo para o desenvolvimento do aluno. Acredito profundamente que esta distinção dará mais visibilidade, qualidade e reconhecimento ao IFSC”, conclui o futuro engenheiro mecatrônico e integrante da MAJ.

A Mecatrônica e Automação Júnior foi fundada em agosto de 2018, com a missão de desenvolver soluções mecatrônicas com eficiência e qualidade, priorizando o cliente e proporcionando uma experiência única. “Nossa visão é ser uma empresa júnior modelo no mercado nacional. Atualmente, de acordo com os dados que estão no portal da Brasil Júnior, local onde apresenta todos os dados de todas as empresas júniores, somos a maior empresa júnior de mecatrônica do Brasil”, informa Delano dos Santos. 

“A MAJ me capacitou tanto academicamente e profissionalmente, quanto pessoalmente. Aqui somos mais que uma empresa, somos um time, uma família. Estamos constantemente colocando em prática metodologias que estão nas grandes empresas, nos capacitando com cursos em vendas, oratórias, marketing, entre outros”, revela ele. 

A empresa júnior do Câmpus Criciúma participou recentemente de uma chamada pública emergencial para projetos de prevenção e de enfrentamento da pandemia , com um projeto que produziu 630 protetores faciais (face shields) que foram doados para a secretaria municipal de Saúde. Os equipamentos estão sendo distribuídos aos profissionais de saúde que estão trabalhando no combate à pandemia de coronavírus.

Live

Na próxima quarta-feira (15), às 19h, pelo You Tube, a presidente da Fejesc, Maria Eduarda, e o presidente da empresa júnior Nexus do Câmpus Caçador, Pedro da Costa Nogueira, fazem a live sobre Os desafios das Empresas Juniores em meio a pandemia. 

Programa

O Programa de Empreendedorismo Júnior é um pilar estratégico para a Pró-reitoria de Extensão e Relações Externas (Proex) do IFSC, considerando as ações de fomento de iniciativas de empreendedorismo júnior que vêm sendo implementadas, principalmente a partir de 2017 e 2018, quando iniciaram as articulações com a Federação das Empresas Juniores do Estado de Santa Catarina (Fejesc) para capacitação de discentes do IFSC com interesse em criar uma empresa júnior (EJ). 

“O objetivo geral do programa é contribuir para a formação de estudantes e servidores com vistas a fortalecer a inserção socioprofissional do estudante, alcançando de modo estratégico setores da sociedade e potencializando os currículos envolvidos”, afirma a diretoria de Extensão, Letícia Cunico. 

Segundo ela, o programa pretende proporcionar capacitações e desenvolver projetos que possibilitem tanto o crescimento dos estudantes no sentido de um cidadão com iniciativa para pensar seu entorno profissional e acadêmico, assim como  um indivíduo que busca refletir e perceber suas necessidades de desenvolvimento e suas formas de aprender e se reinventar continuamente.

O comprometimento entre as partes - Instituição de Ensino, docentes e Movimento Empresa Júnior (MEJ) - contribui para tornar os projetos de Empresas Juniores um pilar estratégico para a Curricularização da Extensão, atendendo a Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) nº 7, de 18 de dezembro de 2018 e Resolução nº 61/2016 do Conselho Superior (Consup).

EXTENSÃO