Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto aprovado em edital federal vai atuar em três frentes de combate à Covid-19

PESQUISA Data de Publicação: 16 jul 2020 12:07 Data de Atualização: 16 jul 2020 14:26

Santa Catarina é destaque hoje em projetos de combate à Covid-19. São 182 iniciativas, sejam de pesquisa ou extensão, desenvolvidas por pesquisadores catarinenses. Um edital, lançado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e pelo Ministério da Saúde, somou àquele número outros seis estudos. Um deles, representando instituições de ensino públicas, tem a coordenação do professor Samuel da Silva Feitosa, do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), e pretende estudar sobre a aprendizagem de máquinas para problemas relacionados à Covid-19. A pesquisa conta também com a participação de investigadores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

O edital federal disponibilizou R$ 50 milhões para pesquisas sobre Covid-19 em todo país. A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) está apoiando a chamada e dará bolsas de pós-doutorado e mestrado para cada projeto selecionado de Santa Catarina. Dos 11 projetos que receberão recursos no Sul do Brasil, seis deles são do estado e envolvem instituições de ensino públicas e comunitárias. E desses seis, um é do IFSC.

O projeto "Aprendizagem de Máquina para Problemas Relacionados ao Covid-19" tem por objetivo atuar em três frentes para auxiliar no combate ao Coronavírus. São eles: um sistema para detecção e classificação de fake news, relacionadas à doença; modelos para auxiliar no diagnóstico; e um sistema para auxiliar na triagem de pacientes em condições extremas, como é o caso desta pandemia.

“Como auxílio à prevenção será desenvolvido um sistema classificador de notícias relacionadas à pandemia, identificando a sua potencialidade de ser verdadeira ou falsa. Para o diagnóstico, serão propostos modelos inteligentes para auxiliar no diagnóstico da doença a partir de exames de imagem e laboratoriais. Por fim, para a triagem de pacientes, será desenvolvido um protótipo para realizar a classificação de risco de pacientes de forma automatizada”, explica o doutor em computação e professor do Câmpus Caçador, Samuel da Silva Feitosa.

Segundo ele, o investimento no projeto justifica-se pelo fato de atacar diferentes problemas utilizando um mesmo aparato tecnológico, o que, por sua vez, permite a redução de custos e o reaproveitamento dos recursos utilizados e desenvolvidos neste projeto. “As três vertentes descritas neste projeto têm alta relevância para os problemas encontrados na sociedade em virtude da atual pandemia, o que, em caso de sucesso, podem amenizar fortemente a transmissão e contaminação, bem como auxiliar no processo de tratamento dos pacientes acometidos pela doença”, destaca.

Na prática

O projeto está na fase de preparação, com reuniões do grupo de pesquisa e seleção dos alunos bolsistas que participarão diretamente do seu desenvolvimento.

Na prática o projeto terá dois ramos de estudo: um com o pessoal da área de Informática a ser realizado no Câmpus Caçador (IFSC), e outro com o pessoal da área de Enfermagem do Câmpus Chapecó da Udesc. “Ambos grupos trabalharão com o objetivo comum do projeto, porém atuando diretamente em suas respectivas áreas”, conta Feitosa, revelando também que o início do projeto está previsto para o mês de agosto próximo.

Para ele, os alunos envolvidos terão possibilidade de aplicar os conhecimentos adquiridos em suas atividades acadêmicas, seja de ensino ou extensão, na resolução de problemas reais que afligem a nossa sociedade. “Além disso, as áreas envolvidas neste projeto vêm de encontro com eixos de pesquisa de interesse de ambas as instituições participantes. Por fim, este projeto também serve como incentivo para que os bolsistas selecionados no projeto aprimorem as suas habilidades em pesquisa e a sua capacidade de trabalho em equipe, o que fará com que sua formação seja voltada também para a sua atuação em sociedade”, coloca.

Samuel ressalta que o trabalho visa artefatos de software que atuem nas três propostas: um sistema integrado ao navegador de internet que faça a leitura das páginas e a apresentação de potenciais notícias falsas ao usuário; um sistema inteligente para auxiliar no diagnóstico da doença a partir de exames de imagem e laboratoriais; e um sistema para a triagem de pacientes sem interação humana direta seguindo o "Protocolo de Manchester" (define a ordem de atendimento médico, de acordo com a gravidade do paciente) para classificação de risco.

Por se tratar de um projeto com diferentes áreas de aplicação, ele tem também diferentes públicos-alvo. “Na questão da classificação de fake news associadas à doença, o público alvo é a população em geral que se utiliza de meios computacionais para comunicação. Com relação a questão do diagnóstico e triagem de pacientes, o projeto pretende atender principalmente ao Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro através do aparato tecnológico que se pretende desenvolver”, argumenta Feitosa.

O projeto foi proposto por Samuel, em conjunto com os professores Cristiano Garcia e Vitor Sales da Rosa, do Câmpus Caçador, com colaboração dos docentes Arnildo Korb e Leila Zanatta, do programa de mestrado em Enfermagem do Câmpus Chapecó da Udesc.

CÂMPUS CAÇADOR PESQUISA