Pular para o conteúdo

Notícias

Câmpus Lages tem primeira defesa pelo programa de Dupla Titulação

INSTITUCIONAL Data de Publicação: 24 jul 2020 11:28 Data de Atualização: 05 ago 2020 18:17

Neste mês, a aluna Chayanne Possamai Della Rech, do curso de Engenharia Mecânica, foi responsável por um momento histórico para o Câmpus Lages. Foi a primeira estudante do câmpus a defender seu trabalho de conclusão de curso pelo programa de Dupla Titulação que o IFSC mantém em parceria com o Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP). Ao concluir o curso, quem participa do programa obtém o grau de bacharel no Brasil e o título de mestre em Portugal.

Hoje com 21 anos, Chayanne sempre teve interesse em fazer um intercâmbio e, ainda mais, em continuar seus estudos com um mestrado. “Quando surgiu essa oportunidade, eu ‘pulei de cabeça’, sabendo que seria uma experiência única”, afirma. Ela embarcou para Portugal em setembro do ano passado e foi sua primeira viagem ao exterior. 

O seu trabalho final de conclusão de curso, intitulado de “Determinação das condições ideias de enformação dos diafragmas de borracha na vulcanização de pneus”, foi realizado em parceria com uma empresa de pneus. “Minha pesquisa se baseou em estudar e planejar soluções para um problema que a empresa vinha sofrendo, sendo ele a falha de um dos componentes da prensa de conformação do pneu”, explica

A aluna do IFSC está enfrentando a pandemia de coronavírus em Portugal - onde pretende permanecer até o final do ano. Quando o país aderiu ao estado de emergência, ela estava nos últimos meses do estágio. “Por causa disso, eu não consegui concluir algumas das metodologias esperadas, como a realização de testes, pois tive minha pesquisa interrompida. Entretanto, o que eu já havia desenvolvido foi satisfatório para a conclusão do trabalho”, conta

Apesar de tudo, Chayanne considera que essa tem sido a melhor experiência da sua vida. “O maior desafio é a distância de casa e da família, mas tudo que tenho vivido aqui tem sido indescritível”, destaca. A jovem pretende seguir na área da pesquisa após se formar. “Talvez buscar um doutorado, após a conclusão do curso regular”, diz. Ao retornar ao Brasil, a aluna ainda precisa finalizar umas disciplinas no IFSC para concluir a carga horária regulamentar do curso.

Aprendizado para o IFSC

Para o coordenador do curso de Engenharia Mecânica do Câmpus Lages, Matheus Fontanelle Pereira, a experiência do programa está sendo proveitosa tanto para os alunos quanto para o IFSC. “Os alunos estão tendo a oportunidade de, além de cursarem disciplinas numa instituição de renome do setor educacional e industrial europeu como o ISEP, também interagirem com a comunidade acadêmica daquela instituição e realizarem seu estágio obrigatório em empresas do setor industrial português”, explica. 

O docente acredita que este programa de intercâmbio aumentará a atratividade do curso do IFSC para novos alunos. “Também pudemos constatar, com esta experiência, a qualidade da formação de nossos alunos, pois os três alunos tiveram desempenho muito bom nas disciplinas que cursaram lá no curso de mestrado e foram elogiados pelo coordenador do curso de mestrado por suas condutas de empenho e esforço”, complementa.  

Para Matheus, esse intercâmbio mantido com o ISEP mostra que o IFSC pode avançar com relação à interação com o setor produtivo/industrial. “Lá, praticamente 100% das dissertações de mestrado são focadas em problemas das empresas do setor produtivo. As empresas (pequenas e grandes), por sua vez, estão acostumadas a receber alunos do ISEP e auxiliá-los com bolsas de estágio e ajuda de custos”, ressalta.

Outro aspecto importante que os intercambistas do IFSC têm relatado é a diferença entre a cultura do estudo. “Lá está muito claro que a sala de aula é o lugar de assistir aula e o momento do estudo é em casa, debruçando-se sobre os livros”, conta Matheus. Até por isso, o coordenador do curso do IFSC diz que, neste momento de pandemia, o impacto das aulas on-line no ISEP sobre o desempenho dos alunos foi mínimo, pois todos já tem o costume de estudar por conta própria em casa. “É justamente este estudo em casa que gera o diferencial de desempenho acadêmico e sucesso dentro das empresas”, conclui.

Sobre o programa

O acordo de Dupla-titulação entre o IFSC e o ISEP existe desde 2015. Em 2018, os IFSC enviou seus primeiros alunos do curso de Engenharia Elétrica do Câmpus Florianópolis para participar do programa. Em 2019 foi firmado um termo aditivo entre o curso de Engenharia Mecânica do Câmpus Lages e o curso de mestrado em Engenharia Mecânica do ISEP. Desde então, o câmpus oferece três vagas anuais para alunos desse curso participarem do programa.

O primeiro edital de seleção para o intercâmbio de Dupla Titulação do Câmpus Lages foi lançado em junho de 2019. Anualmente, o câmpus oferece três vagas para os alunos do curso de Engenharia Mecânica estudarem no ISEP. 

Além de Chayanne, mais dois alunos do câmpus estão terminando seu intercâmbio. David Rosa dos Santos e o Gabriel Schweitzer Morais defenderão suas teses no final de agosto, pois pediram prorrogação de prazo. Estes intercambistas fazem parte da primeira turma da Engenharia Mecânica do Câmpus Lages.

Entenda melhor como funciona o programa nesta reportagem feita diretamente de Portugal com a participação do aluno Gabriel também do Câmpus Lages:

 

CÂMPUS LAGES INSTITUCIONAL