Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto contemplado em edital de inovação visa soluções tecnológicas para a saúde

INOVAÇÃO Data de Publicação: 04 nov 2020 11:13 Data de Atualização: 04 nov 2020 11:19

Saúde 4.0 - Aprendizagem de Máquina em Tempos de Pandemia é um dos projetos do IFSC aprovado no Edital 05/2020, para seleção de projetos de apoio ao empreendedorismo inovador com foco na economia 4.0. O resultado foi divulgado dia 29 passado. Foram 60 projetos aprovados, sendo três deles do IFSC, e dois do Câmpus Caçador: Saúde 4.0 - Aprendizagem de Máquina em Tempos de Pandemia, que tem a coordenação do professor Samuel da Silva Feitosa, e AgroMet – Sistema de agricultura 4.0 de acesso gratuito, de autoria do professor Jean Marcel de Almeida Espinoza.   

Segundo o autor da proposta, professor dos cursos Superior em Sistemas de Informação e técnicos em Informática e Desenvolvimento de Sistemas do Câmpus Caçador, Samuel da Silva Feitosa, o intuito principal da proposta é fornecer soluções tecnológicas no âmbito da saúde, principalmente voltado para o Sistema Único de Saúde (SUS), uma vez que essa área no Brasil está algumas gerações atrasada em relação a outros países desenvolvidos. “Como consequência deste projeto, acredita-se que o público-alvo direto sejam os hospitais e laboratórios de análises clínicas, e o público indireto é qualquer cidadão que faz uso de serviços de saúde neste tipo de instituição”, reforça ele.

Samuel acredita que o uso de sistemas inteligentes (aprendizagem de máquina) e mecanismos de automação, aprimorará o processo de atendimento a pacientes, no sentido de diminuir as filas de espera por resultados de exames, evitar a contaminação dos profissionais de saúde, e reduzir custos em geral, uma vez que essa automatização trará maior produtividade em atividades essenciais do sistema de saúde”, ressalta o autor do projeto.

A inovação do projeto, na prática, está nas suas áreas de abrangência, conforme explica o docente. “A primeira visa melhorar processos muito comuns no dia a dia dos laboratórios públicos e privados, automatizando o processo de emissão de laudos e auxiliando os profissionais da área da saúde na tomada de decisões”, destaca o professor. E a segunda área, conforme prevê a iniciativa, automatiza a triagem de pacientes, que atualmente é feita de forma manual pelos profissionais, a partir da informatização da anamnese e integração de equipamentos de coleta de sinais vitais (peso, temperatura, oxigenação do sangue, pressão arterial, etc.), agilizando o processo, evitando erros e padronizando o primeiro atendimento ao usuário do sistema de saúde.

Para Feitosa, este projeto vem de encontro com outros projetos já aprovados e que estão sendo desenvolvidos no IFSC, como o caso do projeto aprovado pelo CNPq para atuar com problemas relacionados a Covid-19. “Desta forma, este projeto vai consolidar o nosso Câmpus como referência em projetos tecnológicos de ponta, sem deixar de aplicar os conhecimentos da equipe de pesquisadores e dos alunos envolvidos, em problemas reais e de grande importância para a sociedade”, exalta o docente, coordenador da proposta, que completa: “para o IFSC, é cada vez mais importante demonstrar para a sociedade o cunho inovador de nossa instituição, o que colabora em várias frentes na formação de futuros profissionais. Em especial para mim, vejo este projeto como uma oportunidade de aprimorar meus conhecimentos nesta área de pesquisa e oportunizar aos nossos estudantes a possibilidade de participar em projetos que utilizam novas tecnologias, o que possivelmente vai transformar o mercado da região e do estado, uma vez que os estudantes levarão em sua bagagem os conhecimentos adquiridos no decorrer do projeto”.

Inovação

Samuel explica que a iniciativa visa aplicar técnicas de aprendizagem de máquina (machine learning) e aprendizagem profunda (deep learning) em duas áreas. “Aplicar algoritmos de aprendizagem de máquina para construção de uma ferramenta PACS (Picture Archiving and Communication System), tendo a funcionalidade de recuperação de informação a partir de um banco de imagens previamente analisadas e laudadas por especialistas, permitindo a sugestão automatizada de laudos laboratoriais para novas imagens adquiridas no intuito de assim agilizar o processo da emissão de laudos; e desenvolver um mecanismo de triagem automatizada e sem interação humana para hospitais e unidades de pronto atendimento, de forma a se evitar o contato direto dos pacientes com os profissionais de saúde já no primeiro atendimento”, esclarece. 

O edital estabeleceu três áreas para submissão dos projetos: Agricultura 4.0, Indústria 4.0 e Serviços 4.0; e apenas uma proposta de cada área receberá recursos financeiros para execução. A iniciativa de Feitosa e Espinoza são de serviços e indústria, respectivamente.

INOVAÇÃO

Nó: liferay-ce-prod03