Pular para o conteúdo

Notícias

Lançamento do documentário "Escola pra quem?" encerra campanha contra o preconceito

EVENTOS Data de Publicação: 25 jun 2021 13:15 Data de Atualização: 25 jun 2021 13:21

Live fecha série de conteúdos contra o preconceito LGBTQIA+ publicados pelo IFSC

No dia 28 de junho é comemorado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+. Para celebrar e encerrar a campanha “IFSC contra o preconceito” acontece a live de lançamento do documentário "Escola pra quem?" da professora do Câmpus Itajaí, Paula Mayara Zuanazzi. A transmissão será pelo canal do IFSC no YouTube e tem início às 20h30. Após o lançamento ocorrerá o debate sobre LGBTFobia com a professora Paula, a psicóloga Julyelle Conceição, do Câmpus Araranguá e o professor Felipe José Schmidt, professor do Câmpus São Carlos e Presidente do Comitê de Direitos Humanos do IFSC.

A professora Paula explica que os temas ligados à população LGBTQIA+ ainda são um tabu social, revestidos por silenciamento e violências. “A escola e a própria Educação Física, inseridos nesta sociedade, têm sido reprodutores de violências, e, por se tratar de espaços em que a frequência estudantil é obrigatória, são consideradas por muitos LGBTQIA+ como um ambiente hostil. Frente a isso, propusemos um estudo que analisou as experiências de estudantes LGBTQIA+ em seus processos de escolarização e no contexto das aulas de Educação Física Escolar”, completa Paula.

A pesquisa demonstrou que as aulas de Educação Física são descritas como o espaço ‘mais difícil para se estar’ e um local em que muitas violências ocorrem de forma naturalizada, sem interferências dos docentes. Situação que se repete fora da escola, segundo a pesquisa, os sujeitos relataram que não se sentem seguros nem aptos a participar de práticas corporais em seus momentos de lazer.

A análise dos dados mostrou, segundo a professora, que os sujeitos LGBTQIA+ passam por diversas situações de segregação no espaço escolar, incluindo violências psicológicas, físicas e morais, o que contribui para o baixo rendimento escolar e evasão. “Por isso se faz necessário ampliar as discussões sobre gênero e sexualidades no espaço escolar, bem como promover ações de formação continuada aos profissionais da educação, visando construir uma escola mais inclusiva e acolhedora às diferenças”, explica. A partir das entrevistas da pesquisa foi possível elaborar um documentário intitulado “Escola pra quem?”, cujo objetivo é o enfrentamento das questões que envolvem a inclusão de LGBTQIA+ na escola.

Sobre a campanha

Iniciada no dia 17 de maio (Dia de Combate à LGBTFobia), a campanha englobou uma série de materiais incentivando o combate ao preconceito relacionado à orientação sexual, identidade ou expressão de gênero. O primeiro abordou a Homotransfobia e na sequência, semanalmente, realizou-se atividades educativas de combate à discriminação e ao preconceito.

A iniciativa foi proposta pelo Comitê de Direitos Humanos do IFSC e teve como objetivo ampliar o diálogo sobre o tema por meio de conteúdos publicados nos canais institucionais de comunicação, dando visibilidade Às identidades e existências da comunidade LGBTQIA+. “A campanha foi uma demanda coletiva de membros do Ccomitê, que representam os câmpus, Ccerfead e Rreitoria, considerando a urgência em implementar um processo educativo e uma política em defesa dos Direitos Humanos evitando novas violações aos direitos da comunidade LGBTQIA+ no cotidiano de nossa Instituição”, como explica o presidente do Comitê de Direitos Humanos do IFSC, professor Felipe José Schmidt.

EVENTOS

Nó: liferay-ce-prod01

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.