Pular para o conteúdo

Notícias

O legado de Paulo Freire para a educação

INSTITUCIONAL Data de Publicação: 15 out 2021 13:42 Data de Atualização: 15 out 2021 15:55

Quando se fala em Educação de Jovens e Adultos, na formação e na práxis do educador ou em uma pedagogia para a autonomia não há como não falar de um dos principais teóricos da educação mundial, Paulo Freire, que em 2021 estaria completando cem anos. Neste 15 de outubro, Dia do Professor, a nossa homenagem a todos os docentes será feita contando um pouco da história deste grande educador e falando sobre o seu legado para a educação e para o IFSC.

O Pró-reitor de Ensino do IFSC, Adriano Larentes da Silva, explica que embora o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) tenha como referência a pedagogia histórico-crítica, tendo como um dos seus principais teóricos o educador Demerval Saviani, a educação popular crítica, proposta por Paulo Freire também norteia os trabalhos da instituição. “Essas duas perspectivas trabalham com a ideia de conscientização para mudar a estrutura social. Freire tem grandes contribuições para as reflexões do IFSC. Nós entendemos que é fundamental manter o diálogo com a obra do Freire, porque, para além de ser o patrono da educação brasileira, ele é um dos intelectuais mais importantes do século XX da educação. No meu pós-doutorado no México em que eu fui estudar a educação de jovens e adultos e a relação com a educação profissional, eu estudei o Instituto Nacional da Educação de Adultos, que é uma das instituições de EJA mais duradouras da América Latina, e o trabalho deles se norteia na educação a partir da palavra geradora que é inspirada nos temas geradores de Paulo Freire.”

Adriano conta que conheceu a obra de Freire ainda na faculdade e que a sua práxis enquanto educador é influenciada por ele. “Para além da produção acadêmica de Freire, ele traz grandes contribuições para o dia a dia do educador. Freire fala da pedagogia do exemplo em que mais do que dizer, a gente deve ser exemplo, ter uma postura que seja exemplo e a partir dessa postura educar e isso influencia a minha vida enquanto educador e agora como gestão. Em 2008, quando eu estava no Câmpus Chapecó nós começamos a pensar em trabalhar com os temas geradores de Paulo Freire, que depois acabou dando origem a proposta de trabalhar com os projetos integradores e por fim nas oficinas de integração, sendo um espaço de teoria e prática em que ao ensinar você aprende, ao ensinar você pesquisa e ao pesquisar você tem novos elementos para pensar no ensino. Caberia aos educadores buscar compreender as realidades locais, para compreender os limites explicativos dos estudantes e trabalhar com os estudantes esses limites, esse é o grande desafio da educação. É uma perspetiva que permite compreender como falam, porque falam e de onde falam os nossos estudantes e de ter um diálogo mais profundo com eles. Quando Freire conseguiu alfabetizar cerca de 300 trabalhadores em 45 dias ele fez isso utilizando a realidade daqueles trabalhadores para a partir dela ensinar gramática.”

Adriano avalia que o ensino profissional ainda teria muito no que avançar para seguir esta perspetiva freiriana. “O que nós temos hoje são caminhos para se seguir neste sentido quando o educador se coloca junto com o estudante, a ideia de que todos podem construir conhecimento juntos, mesmo tendo o papel central do professor. A perspetiva de Freire também nos orienta a pensar nas políticas de assistência estudantil para articular ações que garantam que o estudante consiga avançar no seu processo de educação profissional.”

Educação em que educador e educando aprendem e ensinam

Paulo Freire também é referência para uma série de professores. No Câmpus Florianópolis-Continente, por exemplo, está sendo realizada uma prática pedagógica de educação ambiental interdisciplinar e coletiva que tem como inspiração a investigação temática, proposta por Freire. O trabalho envolve estudantes da unidade curricular de “Ecogastronomia”, do curso superior de tecnologia em Gastronomia, e professores das áreas de educação ambiental, nutrição, higiene e manipulação de alimentos, além de uma pedagoga e três estudantes pesquisadores. “A partir de uma investigação temática, o tema gerador escolhido foi 'gestão de resíduos', considerado pelos alunos uma das contradições socioambientais mais significativas e que precisa ser superada para que a gastronomia seja saudável e sustentável. Com isso, foi elaborada uma atividade pedagógica de educação ambiental crítico transformadora, chamada de 'cardápio zero resíduos'', cujo objetivo foi a construção teórica e prática de um cardápio saudável e sustentável. Ao final, observamos que o processo de investigação temática contribuiu tanto para a formação permanente da equipe interdisciplinar, quanto para a emancipação dos futuros profissionais da gastronomia”, avalia a professora Gladis Slonski, do Câmpus Florianópolis-Continente.

Além de utilizar a perspectiva freiriana em sua práxis enquanto educadora, Gladis também pesquisa a utilização de Paulo Freire na educação profissional e tecnológica. “O desenvolvimento da dinâmica de investigação temática é uma inovação dentro da EPT. Ela é voltada para um processo educativo comprometido com o processo de transformações da realidade local/global. É através dela que uma equipe de professores e especialistas busca as situações significativas para os alunos que as vivem e juntos eles trabalham ações para que elas possam ser superadas.”

Paulo Freire também é uma inspiração para o professor Cícero Santigo de Oliveira, do câmpus Canoinhas. Ele trabalha há mais de 20 anos com a Educação de Jovens e Adultos. “Os processos de exclusão desencadeados pela pedagogia tradicional são muito semelhantes, em diferentes tempos e espaços. A escola tradicional não dialoga com a diversidade de formas de vida da população. A exclusão começa quando os prédios são construídos em lugares que dificultam o acesso de grupos significativos da população ou quando os horários de funcionamento são incompatíveis com as demandas de trabalho. A distância entre os métodos e as singularidades cognitivas ou entre os conteúdos científicos e os dilemas existenciais, as relações interpessoais autoritárias e o desprezo pela cultura popular são elementos determinantes para que jovens e adultos sintam que não pertencem aquele espaço. Que a escola não foi feita para pessoas 'como eles'. Nas primeiras duas décadas do século XXI, 51,2% da população brasileira com 25 anos ou mais não completou a educação escolar básica. A obra de Paulo Freire é importante para aqueles que desejam superar este impasse civilizatório, que é social, econômico, político e, também, pedagógico.”

Um dos focos de atuação do professor é com a educação de pessoas privadas de liberdade. “Em 2016, desenvolvemos o programa Mulheres Sim no presídio de Mafra e temos agora um Proeja voltado para a área de Edificações que está sendo ofertado para pessoas privadas de liberdade da Unidade Penitenciária de Canoinhas. A partir do edital de busca ativa de trabalhadores, conseguimos desenvolver um projeto que envolveu também os estudantes dos cursos integrados de Canoinhas e produzimos um documentário sobre a trajetória educacional e profissional dessas pessoas. O que foi importante para conhecer esse processo multifacetado de exclusão.”

Pedagogia crítica no ensino de línguas

A partir de sua experiência em sala de aula, o professor de Inglês do Câmpus São José Leonardo da Silva também passou a repensar seu fazer enquanto educador a partir de Paulo Freire. “A língua não é só um instrumento de comunicação e o meu objetivo enquanto professor não pode ser somente fazer com que os estudantes saibam se comunicar em uma determinada língua. A linguagem envolve todo um fazer sociopolítico, envolve construir a realidade e não apenas representá-la. Não há um ensinar de uma perspetiva neutra. Como o Freire coloca aprender e ensinar é um ato político e o nosso compromisso é com a justiça social.”

Em seu doutorado, o professor estudou a pedagogia crítica no ensino de línguas a partir de uma pesquisa-ação com os estudantes dos cursos técnicos integrados. “É uma outra abordagem, onde se parte do estudante, do seu contexto. Por isso, foram desenvolvidas um ciclo de atividades em que os estudantes tinham que olhar para o contexto da área em que eles estudam, que era o da mecânica, e partir dele observar as relações de gênero e as representações da profissão. Foi uma proposta de construir e aprender a dialogar criticamente. Nesse sentido, o professor não traz as informações, ele cria possibilidades para que os estudantes possam desenvolver o pensamento crítico. Paulo Freire trabalhava com círculos de leitura, partindo da realidade dos estudantes e de seus códigos. É construir espaço para autonomia e fazer com que os estudantes desenvolvam a capacidade de análise do mundo. A conscientização é ter a capacidade de compreender a realidade e de transformá-la.”

A partir desta perspectiva da educação linguística crítica, o professor organizou o podcast “Teaching in Critical Times” com 15 episódios sobre o tema. Para escutá-lo, clique aqui.

A influência de Paulo Freire na gestão do IFSC

A perspectiva freiriana também tem orientado o trabalho de planejamento das equipes da Pró-reitoria de Ensino. “Há uma série de metodologias para orientar o trabalho em equipe e muitas vêm da Administração, o que nós pensamos foi em usar uma metodologia que estivesse alinhada com a pedagogia histórico-crítica e nesse sentido resolvemos utilizar a metodologia dos inéditos viáveis, proposta por Freire. No livro a 'Pedagogia do oprimido', ela surge como uma forma de superação das situações limite, que são problemas, algo que precisa ser superado. Nesse sentido, busca-se fazer uma análise crítica da realidade baseada em dados e a partir de uma escuta ativa promove-se ações coletivas”, explica Sandra Lopes Guimarães, da Chefia do departamento de Ingresso do IFSC.

Essa metodologia permite que cada sujeito analise uma determinada situação e esses diferentes olhares façam com que se constitua um coletivo de trabalho. A primeira situação limite que o Departamento de Ingresso, o Departamento de Assuntos Estudantis e a Coordenadoria de Suporte Institucional à Permanência e Êxito do IFSC elencaram como prioridade é a questão da evasão escolar dos estudantes. “A metodologia dos inéditos viáveis está sendo muito útil no planejamento de ações para inclusão, permanência e êxito. Através dela, foram identificados os principais problemas e foi feita uma análise minuciosa dos pontos fortes e fracos da instituição no seu combate. Com base nisso, estão sendo propostas ações de enfrentamento e melhoria”, explica Tiago Spiandorello, da coordenadoria de Registro Acadêmico do IFSC. 

Live sobre o legado de Paulo Freire

A Pró-reitoria de Ensino (Proen) e o Comitê de Direitos Humanos do IFSC promovem a live “O legado de Paulo Freire para a educação” no dia 28 de outubro, às 17h. Para falar sobre o tema foi convidada a professora aposentada da faculdade de educação da Universidade Nacional de Brasília (UNB), Maria Luiza Pinho Pereira. A live será transmitida pelo canal do IFSC no Youtube e pelo Facebook do IFSC.

INSTITUCIONAL

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.