Pular para o conteúdo

Notícias

Dança circular, oferecida no câmpus Florianópolis, ajuda na saúde mental

EXTENSÃO Data de Publicação: 12 jun 2018 13:23 Data de Atualização: 12 jun 2018 13:32
Dançar em círculo, de mãos dadas com estranhos. A música pode ser pop, zen, instrumental, tanto faz. O movimento é ritmado, em várias direções. Quem quiser, também pode cantar. Não parece, mas uma atividade tão simples pode fazer muito bem à saúde, especialmente a mental.
 
“Sinceramente, no começo eu achei meio bobo aquele monte de gente em uma roda”, conta Andréia Santos Alexandre (47) que conheceu a dança circular em panfletos distribuídos pelo posto de saúde. “Depois eu me apaixonei. Tenho problemas de depressão e estou com uma inflamação nos dois ombros. A dança faz a gente esquecer do mundo lá fora e se sentir conectado com os outros. Vou para casa me sentindo mais leve”.
 
Em 1976, o coreógrafo alemão Bernhard Wosien visitou a Comunidade de Findhorn, no norte da Escócia. Lá ele ensinou pela primeira vez uma coletânea de danças folclóricas para os moradores. Assim nasceu o que hoje é conhecido como dança circular. O objetivo da dança circular não é a técnica, e sim o sentimento de união do grupo, gerado a partir do momento em que todos ficam de mãos dadas e apoiam os companheiros. 
 
Em 2017, o Ministério da Saúde reconheceu a dança circular como uma terapia complementar. É indicada para pessoas de todas as idades.
 
“Na dança circular trabalhamos memória, ritmo, aceitação. Você vai dar a mão para o outro e, às vezes, o outro tem dificuldades e você tem que ajudar. Por isso que ela também é uma forma de meditação, integração, comunicação, tolerância. Nesses tempos modernos, em que tudo é individualista, a dança circular aproxima e une as pessoas”, explica a focalizadora - como são chamados os professores da modalidade - Magna Machado, praticante da dança desde 2010. 
 
“É maravilhoso. A gente fica alegre só de lembrar que é dia de vir pra dança. Eu participo desde que começou e não perco uma aula”, conta Zilda Espíndola da Silva (70), que também participa da ginástica para a terceira idade no IFSC. 
 
Confira um pouco da dança neste vídeo
 
Dança e Movimento no IFSC 
 
A dança circular é oferecida desde abril de 2017 no Câmpus Florianópolis dentro do projeto de extensão Dança e Movimento no IFSC, coordenado pela professora Andresa Soares. “Eu comecei a focalizar porque eu gostava de ver as pessoas dançarem. Eu gosto de trazer a dança para as pessoas. Quando a dança circular entrou na minha vida, eu já tinha 50 anos e não parei mais de dançar. Cada vez mais a dança me encanta, porque você vê os resultados”, explica Magna. 
 
Além da dança circular, o projeto oferece dança de salão e jazz. Para participar, os interessados devem comparecer às aulas da modalidade escolhida ou entrar em contato no telefone da Coordenadoria de Educação Física (48) 32116105:
 
Jazz - terças e quintas das 11h45min até 13h.
Dança de salão - quartas e sextas das 11h30min até 13h.
Dança circular - quartas das 17h30min até 19h. 
 
Todas as aulas são realizadas no ginásio 2.
EXTENSÃO