Pular para o conteúdo

Notícias

Em tempo: estudantes do Câmpus Canoinhas relatam experiência de voluntariado no Extensão Brasil

EXTENSÃO Data de Publicação: 31 jan 2019 08:35 Data de Atualização: 01 fev 2019 11:25

Quando Douglas Arthur Marotzky, Angélica Soupinski e João Victor Tischler Nizer decidiram participar do projeto Extensão Brasil, sabiam que seria uma experiência transformadora, mas não tinham ideia da intensidade das mudanças. Juntamente com outros 28 alunos e um servidor do IFSC, os estudantes do Câmpus Canoinhas participaram de um projeto de intervenção voluntária em áreas de saúde, educação, cultura, meio ambiente, direitos humanos e trabalho, na região metropolitana de Brasília, no Distrito Federal, de 14 a 25 de novembro.

“Foi um choque de realidade”, comenta Angélica. “Brasília é uma cidade planejada para esconder os pobres. Ou você tem tudo ou não tem nada”, acrescenta a estudante do técnico integrado em Edificações, que já contava com a experiência de ter participado da Operação Encantos do Vale, realizada pelo Núcleo Extensionista Rondon, de 10 a 21 de julho de 2018, em treze municípios da região do Médio Vale do Itajaí. “Nem se compara com a pobreza daqui”, afirma.

Os colegas do curso superior de tecnologia em Alimentos, Douglas e João Victor, também se impressionaram com as diferenças socioeconômicas e culturais. “Às vezes, a gente se tortura tanto por causa de uma prova e lá encontramos tantas crianças com problemas tão graves, vítimas de abuso e carentes de atenção”, conta João. “Este choque de realidade foi importante para nos tirar do eixo, da bolha social que vivemos. Agora, penso mil vezes antes de reclamar”, ressalta.

“Aprendi muito. Porque eu tenho a minha realidade e ver a realidade dos outros nem sempre é fácil para a gente”, comenta Douglas. Apesar das diferenças, a experiência foi muito valiosa para os jovens. “Foi renovador, maravilhoso. Me apaixonei muito pelo projeto e quero participar mais vezes”, afirma Douglas. “Voltei uma pessoa um milhão, um trilhão, um quadrilhão de vezes melhor”, enfatiza.

Os três voluntários participaram do grupo que ficou alojado no Centro de Ensino Fundamental (CEF) 02, na Cidade Estrutural, uma comunidade de cerca de 35 mil habitantes, originada a partir de uma ocupação de catadores de materiais recicláveis próxima ao lixão do Distrito Federal, já considerado o maior da América Latina e fechado em janeiro do ano passado. Nos três turnos, a escola atende cerca de 1.100 alunos, no ensino fundamental e na educação de jovens e adultos (EJA).

Durante o período que estiveram na escola, os estudantes se revezaram em atividades de apoio escolar, oficinas sobre alimentação saudável, sexualidade e bullying e rodas de conversa sobre autoestima e racismo, já que novembro é o mês da consciência negra. Segundo os estudantes, os temas escolhidos para as ações foram indicados pela própria direção da escola.

“É muito raro as crianças terem uma família estruturada. Ouvimos muitos relatos de violência, de abusos dentro de casa e de crianças que não sabem o que é serem cuidadas e amadas. Por isso, demos o nosso melhor para mostrar que é possível ter sonhos e seguir outro rumo”, comenta Angélica. A retribuição veio em forma de conversa, cartinhas e muitos abraços. “Recebemos tanto carinho que era como se as crianças estivessem passando pra gente todo o amor acumulado que não tinham para quem dar”, reflete João Victor.

“Foi uma experiência que marcou bastante. Queria ficar e, ao mesmo tempo, tinha vontade de voltar. Mas conseguimos dar esperança para aquelas crianças, para que não deixem de sorrir”, explica João. “Antes de ir, tinha muito medo e insegurança de fazer as coisas. Mas, depois de vivenciar tudo o que vivi no projeto, vejo que a gente tem que fazer mais, se jogar nas oportunidades. Nada do que aprendi em sala de aula chegou perto do que vivenciei no Extensão Brasil”, afirma Douglas.

Inspirado nas operações do Núcleo Extensionista Rondon, da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e do qual o IFSC é parceiro, o evento Extensão Brasil teve como objetivos contribuir para a formação do estudante como cidadão; integrar o estudante ao processo de desenvolvimento nacional, por meio de ações participativas sobre a realidade do país; consolidar no estudante o sentido de responsabilidade social, coletiva, em prol da cidadania e do desenvolvimento regional; e estimular no estudante a produção de projetos coletivos locais, em parceria com as comunidades participantes.

Os objetivos foram entendidos pelos representantes do Câmpus Canoinhas, que querem incentivar a ampliação do projeto. “Queremos instigar mais pessoas a participarem de projetos voluntários e a conhecerem o Núcleo Extensionista Rondon e as futuras edições do Extensão Brasil. A sociedade maltrata as pessoas e as faz acreditar que é assim. Precisamos mudar o entendimento das coisas, sermos mais críticos e agir nas nossas próprias comunidades”, desafiam.

Veja a matéria produzida pela TV Estrutural sobre as ações do Extensão Brasil no CEF 02, na Cidade Industrial.

EXTENSÃO CÂMPUS CANOINHAS