Pular para o conteúdo

Notícias

Estudante de curso Proeja relata história de superação ao retomar estudos depois de 38 anos

ENSINO Data de Publicação: 30 nov 2018 15:28 Data de Atualização: 30 nov 2018 16:20

Em 1979, quando Paulina Borges Martins terminou a 4ª série, na escola de Serra dos Borges, interior de Bela Vista do Toldo, no Planalto Norte de Santa Catarina, ela não imaginava que um dia poderia voltar a estudar. Filha mais velha de dona Cecília e seu Vitor, ela teve que sair da escola para trabalhar na roça e ajudar a cuidar dos irmãos mais novos, 16 no total. Uma história igual a tantas outras, mas com uma reviravolta transformadora. Em 15 de fevereiro de 2018, Paulina começou o curso Proeja - técnico em Agroecologia (Ensino Médio), no Câmpus Canoinhas do IFSC, e agora é uma das alunas mais assíduas e atuantes do curso.

“Meu pai não deixava estudar. Ele achava que mulher tinha que casar, cuidar do marido e filhos”, conta Paulina, que, seguindo o estabelecido, casou e teve dois filhos: Márcio e Márcia, de 27 e 24 anos. “Agora estou muito feliz de estar aqui, com os professores, que são muito bonzinhos. Têm paciência de me ensinar. E estou aprendendo um monte de coisas que eu nunca achava na minha vida que eu ia fazer. Nunca eu achei que ia estudar, na minha vida.”

Se voltar aos “bancos” escolares 38 anos depois já é um desafio e tanto, para Paulina, a decisão foi ainda mais difícil. Por causa de uma depressão profunda, ela já não saía mais de casa e, no último ano, passava a maior parte do tempo dormindo. Até que a assistente social do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do bairro Campo da Água Verde (onde fica o Câmpus Canoinhas), Zenilda Lemos de Souza, passou divulgando o novo curso técnico do IFSC, de Agroecologia na modalidade de educação de jovens e adultos.

“Quando a assistente social, Zenilda, passou lá em casa convidando pra estudar, ela levou a sério. Por um momento, pensei que ela não ia aguentar, porque ela dizia que não gostava de estudar. Mas, na verdade, era porque não tinha oportunidade. Aí, ela começou a vir pra escola todo dia. Chegava da escola faceira, mostrando os temas dela”, conta a filha Márcia, testemunha de toda transformação. “Em casa, a gente quase nem vê ela mais. É só estudando, estudando, estudando.”

Para a assistente social, a história de Paulina é um exemplo de que as pessoas precisam se apoderar do protagonismo de suas histórias. “Na verdade, percebi que no seu coração havia uma faísca que precisava ser acendida para incendiar. E foi isso que fiz. Ajudei a dar asas aos sonhos”, comemora Zenilda, que se define como uma defensora nata da educação. “É a chave que abre toda e qualquer porta. Vivo isso na pele. Perdi meus pais muito cedo e vi nos estudos a única possibilidade de vencer a pobreza que assolava a minha família”, conta a assistente social.

Entusiasmada com a nova vida, Paulina não pensa em desistir e vê no curso de Agroecologia uma oportunidade de voltar às origens, mas trabalhando com a agricultura de forma consciente. “Vejo o mundo bem diferente. Agora eu tenho vontade de fazer as coisas. E um dia quero trabalhar ainda. Quero estudar pra trabalhar. Não quero mais ficar parada.”

Quer saber mais sobre esta história? Acompanhe o depoimento de Paulina e sua filha Márcia, no vídeo produzido pelos estudantes do 3º ano do curso técnico integrado em Edificações do Câmpus Canoinhas, Bruno Koch, Giovana Gonçalves, Juliana Zschap e Hayane Dobrikpf. (Clique aqui para assistir)

EJA no IFSC

Oferecer educação formal e profissional a trabalhadores que não tiveram acesso ou abandonaram a sala de aula é um desafio para o IFSC, que começou o trabalho com a Educação de Jovens e Adultos (EJA) ainda 2004. O Proeja foi instituído por decreto como programa educacional brasileiro com o objetivo de atender à demanda por educação básica e profissional de jovens e adultos por meio da elevação da escolaridade, profissionalização, continuidade de estudos e maior inserção na vida social e no mundo do trabalho.

O Decreto 5840/96, que criou o Proeja, determina que os institutos federais ofertem no mínimo 10% de suas vagas de ingresso para cursos Proeja. Atualmente, esta demanda é atendida pelos câmpus que oferecem cursos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja) e Rede Nacional de Reconhecimento de Saberes Profissionais (Certific).

Estude no IFSC

Para quem se inspirou na história de Paulina e quer voltar a estudar, o IFSC está com inscrições abertas, até o próximo domingo (2), para cursos na modalidade Proeja – Ensino Médio em cinco câmpus: Canoinhas (Agroecologia), Chapecó (Eletromecânica), Jaraguá do Sul–Centro (Vestuário – Certific), São José (Operador de Computador) e Palhoça Bilíngue (Manutenção e Suporte em Informática). Há inscrições abertas também para outros tipos de cursos técnicos (ensino médio técnico, concomitante e subsequente).

Os cursos chamados de “Proeja” são voltados à educação de jovens e adultos que não concluíram os estudos em idade regular. Para ingressar nesses cursos, o candidato deve ter o ensino fundamental completo e ter a idade mínima de 18 anos até a data da matrícula.

As inscrições devem ser feitas pela internet, no Portal de Inscrições, até 2 de dezembro. Quem não tiver acesso à internet, pode procurar os câmpus do IFSC, onde há computadores disponíveis.

Todos os cursos são gratuitos e não há taxa de inscrição. As aulas terão início no primeiro semestre de 2019. A seleção é por sorteio público.

Mais informações

Todas as informações devem ser conferidas nos seguintes editais:

Edital 12/Deing/2019-1: cursos Proeja
Edital 11/Deing/2019-1: ensino médio técnico, cursos técnicos concomitantes e subsequentes de todos os câmpus (exceto Itajaí)
- Edital 13/Deing/2019-1: ensino médio técnico, cursos técnicos concomitantes e subsequentes do Câmpus Itajaí.


Dúvidas podem ser encaminhadas também para o e-mail ingresso@ifsc.edu.br.
 

ENSINO CÂMPUS CANOINHAS