Pular para o conteúdo

Notícias

Especialistas avaliam amostras de vinhos e sucos de uva do Planalto Norte Catarinense

ENSINO Data de Publicação: 29 ago 2019 07:52 Data de Atualização: 29 ago 2019 08:03

Um time de onze especialistas na área de viticultura, enologia e análise sensorial realizou, no dia 22 de agosto, a avaliação das 39 amostras inscritas no Concurso dos Melhores Vinhos e Sucos de Uva do Planalto Norte Catarinense. Foram avaliadas 16 amostras de suco de uva tinto, 18 de vinho de mesa tinto e 5 de vinho de mesa branco. O concurso é realizado pelo Câmpus Canoinhas em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Clima Temperado – Estação Experimental de Canoinhas.

“Conseguimos reunir um grupo seleto de especialistas, que, com toda sua experiência e conhecimento, além de avaliar as amostras, fizeram inúmeras sugestões e contribuições sobre o que os produtores podem melhorar para elaborar produtos com qualidade cada vez maior”, avalia o coordenador do concurso e professor do Câmpus Canoinhas, Douglas Würz.

Ele explica que a avaliação foi realizada às cegas, em que cada jurado degustou todas as amostras sem saber a procedência da bebida. Para cada amostra, os jurados atribuíram notas de 0 a 100 em quatro quesitos: análises visual, olfativa e gustativa e aspecto global. Na próxima etapa, serão compilados todos os dados das fichas de avaliação dos jurados para fazer a classificação.

O resultado será divulgado no encerramento do 3º Encontro Regional da Cultura da Videira, que acontece no Câmpus Canoinhas, no dia 6 de setembro, com organização da Epagri. As três melhores bebidas de cada categoria serão premiadas com certificados e brindes.

Avaliação

De acordo com o pesquisador da Epagri e coordenador da Câmara Setorial da Uva e Vinho de Santa Catarina, Vinícius Caliari, além de ser uma ação motivadora para os produtores de uva e vinho, o concurso tem a função avaliativa dos produtos elaborados na região. “Percebemos o grande potencial que a região tem para produção de uvas para processamentos. Bons vinhos brancos, bons vinhos tintos e bons sucos são possíveis na região, agregando valor ao produto e aumentando a renda do produtor”, avalia.

Durante a avaliação sensorial, Caliari fez o levantamento dos principais problemas apresentados pelas amostras e a indicação das correções necessárias, especialmente no que diz respeito ao uso de técnicas já existentes. “Constatamos que os produtos têm potencial se elaborados adequadamente, de forma mais tecnificada. Deve ser buscado um aprimoramento para termos produtos mais típicos, mais característicos e adequados ao mercado”, destaca.

“São detalhes básicos que não vão encarecer o trabalho do produtor e vão agregar qualidade aos produtos, possibilitando uma demanda de renda maior”, afirma o engenheiro agrônomo e responsável técnico da Vinícola Legado, de Campo Largo (PR), José Luiz Marcon Filho. Ele ficou impressionado com a qualidade dos produtos degustados e acredita que a região tem um potencial muito bom para trabalhar com uvas de mesa, tanto pela questão de relevo quanto pela agricultura familiar forte.

A professora do curso superior de tecnologia em Viticultura e Enologia, do Câmpus Urupema do IFSC, Betina Pereira de Bem, concorda com as avaliações e com as possibilidades de fortalecimento do setor. “Pudemos avaliar diferentes amostras com grande potencial e algumas com ajustes a serem feitos. Com isso espera-se auxiliar no desenvolvimento da viticultura dessa região, pois é uma atividade que apresenta um grande futuro neste local”, ressalta Betina.

Para a engenheira de alimentos e professora da Universidade do Contestado (UnC), Mariana Carvalho, eventos como este concurso são muito importantes justamente por conta do retorno das avaliações. “Proporciona ao produtor a oportunidade de um feedback feito por profissionais a respeitos das características físico-químicas e sensoriais de seu produto. Além do objetivo de otimizar a produção, é uma oportunidade para mostrar e valorizar estes produtos regionais junto à comunidade”, comenta professora Mariana.

“O concurso é um evento importante para a região, pois permite a integração e a valorização dos produtores de vinhos e sucos de uva, além de possibilitar a melhora da qualidade dessas bebidas, através da avaliação dos parâmetros físico-químicos e sensoriais dos produtos e de recomendações técnicas aos produtores”, resume a professora do curso superior de tecnologia em Alimentos do Câmpus Canoinhas, Fernanda Macagnan.

Comissão avaliadora

Alberto Fontanella Brighenti (Engenheiro Agrônomo, Dr. em Recursos Genéticos, UFSC)
Andreia Ratacheski (Enóloga e Sommelier Internacional FISAR, Vinhedo de Olinto)
Betina Pereira de Bem (Engenheira Agrônoma, Dra. em Produção Vegetal, Câmpus Urupema)
Carolina Pretto Panceri (Enóloga e Sommelier Internacional FISAR, Dra. em Ciência de Alimentos, Câmpus Urupema)
Fernanda Teixeira Macagnan (Farmácia, Dra. em Ciência e Tecnologia de Alimentos, Câmpus Canoinhas)
Jefferson Dantas Souza (Enólogo, Epagri – Estação Experimental de Videira)
José Luiz Marcon Filho (Engenheiro Agrônomo, Dr. em Produção Vegetal, Vinícola Legado)
Mariana Wrublevski de Carvalho (Engenheira de Alimentos, Msc em Desenvolvimento Regional, UnC Campus Canoinhas)
Nelson Pires Feldberg (Engenheiro Agrônomo, Msc. em Agronomia - Fitotecnia, Embrapa Clima Temperado – Estação Experimental de Canoinhas)
Régis Rosso (Enólogo, Vinícola Sanber)
Vinícius Caliari (Químico, Dr. em Ciências dos Alimentos, Epagri – Estação Experimental de Videira)
Coordenador da Comissão Avaliadora: Douglas André Wurz (Engenheiro Agrônomo e Sommelier Internacional FISAR, Dr. em Produção Vegetal, Câmpus Canoinhas)

ENSINO CÂMPUS CANOINHAS