Pular para o conteúdo

Notícias

Estudantes transformam resíduos eletrônicos em oportunidade de negócio

CÂMPUS GAROPABA Data de Publicação: 01 jul 2022 11:06 Data de Atualização: 01 jul 2022 13:44

Como transformar aparelhos eletrônicos obsoletos ou que não funcionam mais em uma oportunidade de negócio? O estudante do curso técnico integrado ao ensino médio em Informática do Câmpus Garopaba, Yuri Lourenço Ribeiro, 16 anos, começou a pensar nessa possibilidade na disciplina de Empreendedorismo, ministrada pela professora Rafaela Escobar Burger. A partir da metodologia do design thinking, Yuri e os colegas criaram um site com endereços de empresas coletoras de resíduos eletrônicos em todo o estado e que pode ser consultado aqui.

Ao participar de uma oficina do projeto “Robótica na Escola: Programando o Futuro”, ele conheceu o colega Ettore Ceretti, do Centro Educacional Porto Seguro, e juntos tiveram a ideia de criar o projeto Repropositar, que tem como objetivo coletar resíduos de aparelhos eletrônicos, além de conscientizar sobre a importância do descarte correto desse tipo de material.

A ideia surgiu no início de 2022 e agora foi transformada em um projeto de Extensão por meio do Edital Protagonismo Discente, o que permitiu que mais dois colegas do IFSC se juntassem à equipeÇ João Paulo e João Sidharta. A equipe também já participou do Edital Ispiratec do Sebrae.

Agora, o projeto está em fase de testes, com coletores de resíduos eletrônicos no Câmpus do IFSC, no Centro Educacional Porto Seguro e na Escola Crescer e Conhecer. “Nosso objetivo é conscientizar e coletar o lixo eletrônico estabelecendo um diálogo com escolas e faculdades, sempre tendo como público alvo a comunidade”, destaca Yuri. O material coletado será enviado à empresa Wee.do Logística Reversa de Materiais, de Palhoça.

Por enquanto, a equipe ainda não pode criar uma empresa, pois nenhum tem mais que 18 anos, mas os planos são dar continuidade e expandir a área de atuação para as cidades da região como Paulo Lopes, Imbituba, Tubarão, Criciúma, Laguna, Araranguá e Sombrio.

A professora Rafaela, mentora da equipe juntamente com a professora Thaiana dos Anjos Reis, explica que a ideia tem todas as condições para se tornar uma empresa no futuro. Também poderá ser incubada no Hotel Tecnológico do Câmpus Garopaba, que abrirá edital para recebimento de propostas em breve. “Eles encontraram uma oportunidade de mercado e desenvolveram a ideia a partir de muita pesquisa. Eles têm muito potencial”, destaca a professora. Para ela, fazer com que o aluno tenha condições de colocar em prática o que aprendeu em sala de aula é fundamental, a base do ensino. “Eles já estão ensinando, estão voando alto, isso dá muito orgulho”, completa a professora.

Lixo eletrônico é um problema mundial

Por que o lixo eletrônico, mais apropriadamente chamado de resido eletrônico, pode ser uma boa oportunidade de negócio? Yuri explica que, somente em 2021, foram descartadas 55 milhões de toneladas de lixo eletrônico no mundo. O problema é que grande parte desse material contém metais tóxicos. Segundo o levantamento feito pela equipe, em Santa Catarina, apenas 29 cidades possuem coleta desse tipo de material, e somente de cinco a 10 têm alguma alternativa de logística reversa.

“Tem uma frase que o Steve Jobs dizia que ‘a tecnologia move o mundo’. Então, temos que pensar para onde ela está nos levando. O resíduo eletrônico tem grande impacto sobre a flora e a fauna. A obsolescência programada, que é produzir equipamentos que vão se tornar obsoletos em pouco tempo para que as pessoas comprem novos, é uma grande geradora de lixo eletrônico”, explica Yuri.

O maior desafio nessa primeira etapa de testes, conta o estudante, é conscientizar a comunidade sobre a importância do descarte correto. “Resíduo eletrônico é tudo o que precisa de energia elétrica para funcionar. Muitas vezes as pessoas descartam pilhas e baterias como lixo eletrônico, mas esse tipo de lixo tem outro destino”, explica.

Os materiais eletrônicos podem ser fonte de renda pela venda de componentes reutilizáveis. Materiais tóxicos têm a destinação segura ou mesmo são utilizados para outros fins. Assim, o projeto tem o objetivo de conscientizar as pessoas, seja por meio de palestras ou as mídias sociais, sobre a importância e forma correta de descartar o lixo eletrônico.

O estudante acredita que o projeto Reprepositar vire uma empresa no futuro. O modelo de negócios está sendo construído e aprimorado de acordo com a experiência da equipe. Além de monitor do projeto de Robótica do Câmpus Garopaba, Yuri também é bolsista do projeto “Arte Educação: Vida no Mar”. Quando concluir o curso, em 2023, pensa em cursar Engenharia da Computação ou Engenharia de Hardware, pois tem preferência pela área de exatas.

-> Acesse o projeto Repropositar no Instagram e saiba mais

CÂMPUS GAROPABA INOVAÇÃO

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.