Pular para o conteúdo

Notícias

Grupo de foguetes de Gaspar é a única equipe formada por estudantes do Ensino Médio técnico em competição internacional

ENSINO Data de Publicação: 12 ago 2022 18:11 Data de Atualização: 15 ago 2022 15:20

O Grupo de Foguetes do IFSC Câmpus Gaspar (GFIG) foi uma das 68 equipes de 10 países que participaram do Latin America Space Challenge (Lasc), evento internacional de foguetes e satélites experimentais realizado em Tatuí (SP) de 5 a 7 de agosto. A equipe de Gaspar competiu com foguetes com propulsão de combustível sólido nas categorias de 500 metros e de 1 km. “Nós lançamos o foguete de 500 m no primeiro dia com sucesso, todas as etapas da operação de voo ocorreram conforme planejado. Porém, nosso sistema de detecção de apogeu detectou um voo de apenas 50,3 metros, muito menor do que foi visualizado, mas essa foi a altura registrada no altímetro. No segundo dia nós lançamos o foguete de 1 km, mas devido a umidade e alguns problemas no combustível, o motor acabou explodindo durante o lançamento”, explica o professor Leonardo Rauta, que é um dos integrantes do GFIG.

A estudante do técnico integrado em Química Helena Wandalen Pereira avalia que o primeiro foguete pode ter ficado preso na base de lançamento e por isso pode não ter subido tanto, já com relação ao segundo foguete a hipótese é que uma bolha possa ter se formado no combustível. “Eu sou do núcleo que estuda o combustível, que nos chamamos de propelente. Nós trabalhamos com o nitrato KNO3 e fazemos a extração dele a partir de fertilizantes. Um trabalho que requer uma série de processos em laboratório. Além do nitrato usamos também o açúcar e acreditamos que possa ter se formado uma bolha no grão, isso fez com que ele ficasse preso na tubeira do foguete e aumentasse a pressão. Foi uma experiência incrível ter participado do Lasc e mesmo não tendo alcançado os resultados que gostaríamos todos estão de parabéns.”

Além do desafio de alcançarem o apogeu de cada categoria, os dois foguetes levavam experimentos acoplados. Cada um continha pólen de plantas como limão, sininho, palma, feijão, hibisco e amora e a proposta era avaliar se a alta aceleração e a microgravidade poderiam afetar ou influenciar no desenvolvimento das plantas. “Iremos analisar os pólens que foram acoplados no primeiro foguete em um meio de cultura apropriado com visualização em microscópio óptico. Esse é um trabalho que faremos em parceria com o professor de Biologia Leonidas de Mello Júnior. Com esse experimento, nós gostaríamos de entender se há uma maneira de fazer a polinização das plantas a partir do espaço”, explica a estudante do curso técnico integrado em Química Larissa Waltrick, que é integrante do GFIG.

Estava previsto também o lançamento de um foguete que foi projetado para alcançar o apogeu de 5 km. O equipamento foi produzido pelo GFIF em cooperação técnica com outras 15 equipes, incluindo grupos de outros países. A equipe de Gaspar havia ficado responsável por trabalhar no desenvolvimento do combustível. Mas o lançamento não pode ser feito durante o evento por conta das condições climáticas e a organização do Lasc irá definir uma nova data. 

Equipe de Gaspar era a única a contar com estudantes do Ensino Médio 

A equipe de Gaspar era formada por seis estudantes do técnico em Informática, cinco do técnico em Química, uma do curso superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e dois professores. “Foi uma experiência incrível, aprendemos muito porque além de fazer o lançamento do foguete também participamos de uma exposição em que conhecemos o trabalho das outras equipes, todas de universidades com alunos de Física e Engenharia. Nós ficamos conhecidos como a equipe sub-15, a única formada por estudantes do Ensino Médio”, explica Larissa. 

A estudante do técnico em Química Lívia Marchi explica que durante a competição há uma cooperação muito grande entre as equipes. “Participar do Lasc foi uma experiência educacional incrível e mesmo não ganhando a nossa equipe trabalhou muito bem. Eu faço parte do GFIG há um semestre e atuo na área de combustíveis. Agora após o evento vou atuar também na área de recuperação do foguete que trabalha para a abertura do paraquedas durante a descida.”

A equipe de foguetes se prepara agora para planejar oficinas para estudantes do IFSC e de escolas da região e para inaugurar o container do GFIG onde são realizados os trabalhos de desenvolvimento dos foguetes. 

 

ENSINO CÂMPUS GASPAR EVENTOS

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.