Pular para o conteúdo

Notícias

Projeto do técnico em Enfermagem sensibiliza gestantes sobre prevenção da obesidade infantil

ENSINO Data de Publicação: 09 dez 2019 14:32 Data de Atualização: 09 dez 2019 14:49

A obesidade infantil é um dos problemas de saúde pública mais preocupantes da atualidade e já atinge 9,4% das meninas e 12,4% dos meninos no Brasil, segundo estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS). Como o sobrepeso das crianças está vinculado aos hábitos de alimentação e não só à herança genética, as estudantes Silmara Aparecida Catarina Martins e Suelen Pereira Lima Müller, do curso técnico em Enfermagem do Câmpus Joinville, decidiram abordar o problema com quem pode fazer a prevenção com maior antecedência: as gestantes e suas famílias.

O projeto integrador (PI) “Prevenção da obesidade infantil” foi aplicado na Maternidade Darcy Vargas, em Joinville, e atendeu aproximadamente 60 pessoas, entre futuras mamães e acompanhantes, durante três dias de intervenção no atendimento ambulatorial. “Os cuidados com a obesidade infantil começam desde as primeiras semanas de gestação da mãe, na sua alimentação, que deve ser saudável e acompanhada de atividades físicas”, justificam as futuras técnicas em enfermagem. Neste trabalho, as estudantes contam com orientação da professora Patrícia Fernandes Albeirice da Rocha.

Nas rodas de conversa, as gestantes foram orientadas sobre a importância de uma alimentação balanceada e completa para que o bebê tenha um desenvolvimento saudável. Conforme as estudantes, a má alimentação da gestante pode trazer, como consequência para o filho, o desenvolvimento de patologias irreversíveis na vida adulta, como hipertensão, diabetes, insuficiência respiratória, alergias e obesidade mórbida.

Durante as intervenções, Silmara e Suelen também apresentaram orientações sobre alimentação saudável para crianças até dois anos de idade, conforme o guia “Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos”, elaborado pela Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde e Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar – International Baby Food Action Network (IBFAN Brasil).

Na sequência, gestantes e acompanhantes eram convidados a participar de uma dinâmica para descobrir a quantidade de açúcar e sódio dos alimentos, especialmente de alguns industrializados que passam a imagem de saudáveis, como barra de cereais, biscoitos integrais, iogurtes e sucos. “O quadro interativo nos ajudou a ilustrar sobre a grande quantidade de açúcares e sódio presentes nos alimentos que costumamos ofertar para nossas crianças. Nesse momento percebemos que havia uma interação maior e as gestantes se sentiam mais à vontade para compartilhar sobre os seus hábitos e a rotina das suas casas”, avaliam as estudantes.

Requisitos obrigatórios para a conclusão do curso técnico em Enfermagem, os projetos integradores têm o desafio de envolver os alunos em atividades de pesquisa e de intervenção na comunidade, embasadas em metodologia científica, interdisciplinaridade e demanda social. A apresentação dos projetos dos concluintes deste semestre está marcada para o dia 16 de dezembro.

Dez passos para uma alimentação saudável

1. Dê somente leite materno até os 6 meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento.

2. A partir dos 6 meses, introduza de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os 2 anos de idade ou mais.

3. Após 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia, se a criança estiver em aleitamento materno.

4. A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança.

5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher. Começar com consistência pastosa e, gradativamente, aumentar a consistência até chegar à alimentação da família.

6. Ofereça à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

7. Estimule o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

8. Evite açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Use sal com moderação.

9. Cuide da higiene no preparo e manuseio dos alimentos. Garanta o seu armazenamento e conservação adequados.

10. Estimule a criança doente e convalescente a se alimentar, oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, respeitando a sua aceitação.

ENSINO EXTENSÃO CÂMPUS JOINVILLE PESQUISA