Pular para o conteúdo

Notícias

MEC divulga resultado do Enem nesta sexta-feira

GOVERNO FEDERAL Data de Publicação: 17 jan 2020 07:35 Data de Atualização: 17 jan 2020 08:54
MEC divulga resultado do Enem nesta sexta-feira

Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram divulgados na manhã desta sexta-feira (17).  As notas individuais podem ser acessadas pela Página do Participante — no portal ou no aplicativo do Enem — após login com CPF e senha. Com a nota do exame, o estudante pode entrar em uma universidade pública, participar de programas de bolsas e financiamento estudantil em instituições privadas e até ir estudar em Portugal.

Para aqueles que querem ficar no Brasil, podem realizar a inscrição no Sistema de Seleção Única (Sisu) para o primeiro semestre de 2020. O período de inscrições acontece de terça a sexta-feira (21 a 24 de janeiro). Para concorrer a uma vaga pelo programa, é preciso ter obtido uma nota acima de zero na redação. O resultado do Sisu será divulgado em 28 de janeiro. 

Nota

Para o resultado final, porém, não basta apenas somar o número de questões corretas. O Inep adota a Teoria de Resposta ao Item (TRI) para chegar à nota final. 

As questões da prova ocupam uma posição diferente, de acordo com o nível de dificuldade. O método busca priorizar a coerência no desempenho dos estudantes. Se alguém acerta as questões mais difíceis, mas erra aquelas consideradas fáceis, provavelmente "chutou" as respostas. Por isso, terá uma nota inferior à de um estudante que acertou o mesmo número de questões consideradas mais fáceis, mas errou as mais complexas. Assim, duas pessoas que fizeram a mesma edição do Enem e tiveram número igual de acertos podem ter notas diferentes.

No Brasil, a TRI é usada desde 1995 nas provas do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb), que mede o desempenho de estudantes do ensino fundamental e médio e a própria educação básica, e desde 2009 é utilizada no Enem, com o objetivo de garantir a comparação das notas do exame em diferentes aplicações.

Redação 

A nota da redação não é calculada pelo TRI. A redação do Enem 2019 avalia cinco competências: domínio da escrita formal; desenvolvimento do tema em estilo dissertativo-argumentativo; relacionar, organizar e interpretar informações e argumentos em defesa de uma opinião; conhecimento de mecanismos linguísticos para construir a argumentação; e elaboração de proposta de intervenção para o problema proposto, com respeito aos direitos humanos.

Todas as redações são avaliadas por dois professores em plataforma online, com texto sem identificação. Cada um desconhece a nota atribuída pelo outro. A nota final da redação é a média aritmética das duas notas totais que mais se aproximam.

A nota máxima prevista é 1.000. Textos com até sete linhas ou que fogem ao tema estão entre os critérios para zerar a redação.

Ingressos no ensino superior

Para ingressar no ensino superior, através do Sisu, o candidato deverá efetuar a inscrição e escolher até duas opções de cursos ofertados pelas instituições participantes. Ao final, o sistema seleciona os mais bem classificados em cada curso, de acordo com as notas no Enem e eventuais ponderações, como pesos atribuídos às notas ou bônus. Caso o desempenho do candidato permita o ingresso nos dois cursos, prevalecerá a primeira opção, com apenas uma chamada para matrícula.

Os resultados individuais no exame podem ser usados nos processos seletivos de 47 instituições de ensino superior portuguesas, que definem as regras e os pesos das notas, no chamado Enem Portugal. Os convênios são firmados pelo Inep.
Há ainda opções de ingresso em instituições de ensino superior particulares, como Fies e Prouni.

Para os “treineiros”, aqueles que não concluíram o ensino médio em 2019, o boletim individual será publicado em março de 2020.

Também em 2020, vem uma grande novidade: o Enem Digital. No primeiro ano, a aplicação ocorrerá em modelo-piloto. A implantação será progressiva, com previsão de ser 100% digital a partir de 2026. As primeiras aplicações serão opcionais. Os participantes poderão escolher, no ato de inscrição, pela aplicação-piloto ou pela tradicional prova em papel. O modelo digital será aplicado para 50 mil pessoas em 15 capitais do país.

GOVERNO FEDERAL