Pular para o conteúdo

Notícias

Mobilidade elétrica e os desafios das cidades para o futuro

EVENTOS Data de Publicação: 27 abr 2022 17:47 Data de Atualização: 27 abr 2022 21:09

Qual a relação entre a mobilidade urbana e a utilização de fontes de energia renováveis? Como podemos melhorar a mobilidade em nossas cidades e ao mesmo tempo contribuir para a preservação do meio ambiente? A mobilidade elétrica já é uma realidade? Essas e outras perguntas estão sendo debatidas durante o IV Mobisul - Congresso Internacional de Mobilidade, que está sendo realizado no auditório do Câmpus Florianópolis – Continente do IFSC até esta sexta-feira, 29 de abril.

O evento é gratuito e conta com 17 workshops com 100 participantes inscritos em cada uma e mais duas plenárias, com cerca de 250 inscritos cada, além do público que acompanha o evento pela internet.

-> Veja a programação completa do IV Mobisul

-> Acompanhe a programação pelo canal do IFSC no Youtube

A abertura oficial do evento foi realizada na terça-feira (26), com a presença de representantes do poder público, iniciativa privada e academia. Na abertura do evento, o reitor do IFSC, professor Maurício Gariba Júnior, destacou que a mobilidade é um dos grandes desafios para as cidades contemporâneas em todo o mundo. Para ele, a discussão sobre a mobilidade elétrica é imprescindível, pois tem reflexos diretos na qualidade de vida das cidades e na economia, com a geração de novos empregos. Também ressaltou o papel dos institutos federais e universidades na formação de técnicos especializados e no desenvolvimento de tecnologias e pesquisas na área.

O presidente do Sindepark e idealizador do evento, André Luiz Ostermann, informou que, atualmente, a mobilidade elétrica representa 8% do mercado mundial de veículos, sendo que no Brasil esse percentual é de 1%. Ele destaca a importância do incentivo ao uso de veículos movidos a energias renováveis e também a necessidade de melhoria da infraestrutura urbana, inclusive os estacionamentos, que podem ser hubs de servido de tecnologia e serviços no conceito de cidades inteligentes. A instalação de eletropostos é uma das facilidades que os estacionamentos podem proporcionar aos usuários de automóveis elétricos.

Também estiveram presentes na abertura do evento o prefeito de Florianópolis, Topázio Silveira Neto; o secretário estadual de Infraestrutura, Tiago Augusto Vieira; o representante da Setec/MEC e coordenador do programa EnergIF, Marco Antônio Juliatto; o superintendente da Fecomércio SC, Renato da Silva Barcellos; o presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen; o diretor de Inovação e Competitividade da Fiesc, José Eduardo Fiates; o deputado estadual Bruno Souza, entre outras autoridades.

A programação de abertura foi encerrada com palestra do arquiteto Gabriel Caselli Ostermann, que apresentou o plano de mobilidade urbana da cidade de Vancouver, Canadá, e fez paralelos com o que pode ser implantado em Florianópolis, como planejamento a longo prazo (Vancouver tem um plano de mobilidade a ser implantado até 2050), integração entre modais (bicicleta, carro, trem, avião, barco), espaços para pedestres, atualização de legislação, entre outras ações.

IFSC é pioneiro em energias renováveis e eficiência energética

O IFSC é uma instituição de ensino pioneira no ensino e na pesquisa sobre energias renováveis e alternativas à mobilidade. A afirmação é do ex-professor do IFSC e representante da Setec/MEC no evento, Marcos Antônio Juliatto, coordenador do programa EnergIF.

Em 2001, enquanto o Brasil passava por um sistema de desverticalização do sistema elétrico, o IFSC lançou o primeiro curso superior de tecnologia em Sistemas de Energia. Desde então, outros cursos surgiram na área, que vão da qualificação profissional, técnico, graduação, especialização até o mestrado. Além disso, em 2017, o Câmpus Florianópolis passou a ser sede do polo da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) para a pesquisa e inovação em Sistemas Inteligentes de Energia.

Segundo o professor Juliatto, que participou da implantação do curso como professor do IFSC, reuniu-se uma equipe de professores “muito atenta e muito preocupada com a questão da eficiência energética, energias renováveis e sustentabilidade”. A “expertise” gerada no IFSC, de acordo com Juliatto, serve de referência para o desenvolvimento de ações pelo Ministério da Educação. “A Setec/MEC vem se apropriar do conhecimento dos professores do IFSC para planejar as ações para as demais unidades da Rede”, destaca.

Em 2017, a implantação do Programa para Desenvolvimento em Energias Renováveis e Eficiência Energética na Rede Federal (EnergIF) contou com a participação dos professores do IFSC, programa que já investiu cerca de R$ 189 milhões em áreas como geração de energia fotovoltaica, biocombustíveis, biogás, energia eólica, mobilidade elétrica, nitrogênio verde, armazenamento de energia, entre outros.

O programa se estrutura em cinco eixos temáticos: engajamento e difusão; formação profissional; gestão de energia; infraestrutura; e pesquisa, desenvolvimento, inovação e empreendedorismo. Entre as ações já tomadas, estão a capacitação de estudantes e professores e o apoio na colocação de painéis solares em unidades da Rede.

Energia solar do IFSC: ação ambiental e econômica

Durante o pré-evento de abertura do IV Mobisul, dia 26, foram inauguradas as unidades de geração de energia fotovoltaica na Reitoria e no Câmpus Florianópolis – Continente, adquiridas por meio do programa EnergIF.

-> Saiba mais sobre a instalação das unidades

-> Veja o vídeo produzido pelo IFSC

Segundo o professor Marcos Antônio Juliatto, a implantação de usinas de geração fotovoltaica representam, além de uma ação ambiental, uma ação econômica, pois vai possibilitar aos câmpus, além de utilizar uma energia renovável, a economia em suas contas de energia elétrica. “Já investimos pelo EnergIF cerca de R$ 103 milhões em unidades de geração de energia fotovoltaica na Rede Federal em seis anos. São 54% dos nossos câmpus com unidades de geração”, informa.

A diretora Jane Parisenti explica que o Câmpus Florianópolis – Continente tem um gasto expressivo com energia elétrica devido aos equipamentos utilizados pelos cursos da área de alimentação. Segundo ela, a economia gerada pela produção de energia elétrica será reinvestida em laboratórios e outras necessidades do câmpus.

O reitor Maurício Gariba Júnior destacou que, com as unidades inauguradas nesta terça-feira já são três câmpus e a Reitoria com produção de energia elétrica fotovoltaica. A intenção é implantar unidades de geração em todos os câmpus do IFSC.

Realização do Mobisul

O 4º Mobisul é uma realização do Sindepark, Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio), com apoio da Celesc Distribuição S/A, da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, WEG, Federação das Indústrias de SC (Fiesc), Eletric Mobility Laboratory (Emol), Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), Inova Aluguel de Carros, Mundo Car VEX São José 2022, hotéis Majestic e Slaviero. O evento conta ainda com os patrocinios das empresas Zletric, Volvo e Wecharge.

EVENTOS

Nó: liferay-ce-prod02

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência. Leia Mais.