A comunicação como instrumento estratégico de gestão: conceitos e pressupostos

Orientar e harmonizar os processos de comunicação institucional eram o objetivo macro da Política de Comunicação do IFSC quando sua primeira edição foi lançada, em 2013. A ideia era organizar esses processos levando em conta a diversidade dos públicos estratégicos e a grande complexidade da instituição, resultante do seu processo de expansão, após a transformação em Instituto Federal. Desde então a instituição permaneceu praticamente com a mesma estrutura física: contava, em 2013, com 21 câmpus, e hoje eles são 22. Porém, o público atendido aumentou consideravelmente: eram 28 mil matrículas anuais em 2013, e em 2022 esse número passa de 40 mil.

Com a Política, tornou-se evidente a importância da atuação conjunta entre a equipe de comunicação lotada na Reitoria - a Diretoria de Comunicação (Dircom) - e os servidores em atuação nos câmpus. Isso envolve tanto os profissionais com formação na área, como jornalistas, relações-públicas, programadores visuais ou produtores de conteúdo audiovisual, quanto os servidores de outras áreas que assumem funções pertinentes ao relacionamento com os públicos estratégicos.

A primeira edição da Política de Comunicação do IFSC representou um importante avanço para a compreensão dos processos da área na Reitoria e nos câmpus e foi, inclusive, referência para a construção de documentos semelhantes em outras instituições públicas. Porém, passados nove anos de seu lançamento e mais de dez desde os primeiros passos para sua elaboração, muito de seu teor perdeu a validade, demandando ajustes e atualizações. Recursos que em 2013 surgiam ainda como perspectivas promissoras de comunicação, como as mídias sociais, em 2022 são um importante canal de distribuição de conteúdo institucional.

Além disso, a multiplicidade de vozes potencialmente emissoras de conteúdos nas plataformas digitais traz desafios aos quais a equipe de comunicação institucional vem sendo chamada a responder. Se em 2013 a comunicação institucional era mais claramente centralizada na equipe da Dircom, hoje os fluxos multidirecionais de comunicação e iniciativas descentralizadas, favorecidas pelo acesso cada vez mais universalizado à internet, trazem novas questões e processos que precisam estar alinhados.

Essa necessidade de atualização do documento foi levantada pela equipe de comunicadores do IFSC e, após diversas reuniões, incluída no Plano Anual de Trabalho (PAT) de 2021 da Dircom. O grupo de trabalho formado, a princípio, por comunicadores da Reitoria e dos câmpus iniciou as discussões em abril de 2021, atuando em três frentes: 1) Resgate histórico das ações relacionadas à Política de Comunicação do IFSC; 2) Diagnóstico da atual situação da comunicação no IFSC - com levantamentos com gestores e responsáveis pela comunicação; e 3) Consulta às políticas de comunicação de outras instituições de ensino.

Após essa etapa inicial, foram incluídos no grupo de trabalho uma representante do Conselho Superior do IFSC e servidores de outras áreas que se interessaram em participar das discussões. Este grupo ampliado definiu os temas a serem abordados nesta nova edição da Política de Comunicação e fez discussões focadas sobre cada um deles, contando com a participação de outros representantes da instituição quando pertinentes ao tema. Nesse processo, os textos foram sendo construídos pelos integrantes do GT, organizados em subgrupos, e depois validados pela equipe. Um último processo na elaboração inicial do texto foi sua consolidação em documento único, chegando-se na primeira minuta da Política de Comunicação do IFSC - 2ª edição, revista e atualizada.

A minuta foi apreciada pelos comunicadores e responsáveis pela comunicação nos câmpus, apresentada aos colegiados institucionais - Colégio de Dirigentes, Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão e Conselho Superior - e colocada em consulta pública para que a comunidade do IFSC pudesse contribuir com observações e sugestões, participando, efetivamente, de sua elaboração final.

Este documento, portanto, representa a visão da instituição para a sua comunicação: estratégica, inclusiva, profissional e coletiva.

Conceitos e pressupostos norteadores

A Política de Comunicação do IFSC tem como pressupostos básicos:

  1. a compreensão da educação como um espaço fundamental para a formação integral do cidadão e a perspectiva do trabalho como princípio educativo;
  2. a vinculação com o processo de gestão e a cultura organizacional do IFSC;
  3. a existência de uma estrutura profissional de comunicação que tem participação efetiva no processo de tomada de decisões sobre comunicação, com autonomia para a realização de seu trabalho e com recursos suficientes para a gestão da comunicação;
  4. o caráter estratégico da Política de Comunicação, como um instrumento de gestão a ser assumido e praticado em todos os âmbitos institucionais;
  5. a relevância da comunicação para a construção da memória institucional a partir do registro e preservação dos acontecimentos de interesse público e institucional;
  6. a prática de uma comunicação institucional qualificada com foco no atendimento de excelência dos cidadãos;
  7. o alinhamento das ações de comunicação para o fortalecimento da identidade e construção do posicionamento institucional, em consonância com sua missão, visão e valores, de forma a consolidar a imagem e a reputação do IFSC.

Os macroconceitos que norteiam o trabalho de comunicação no IFSC são:

  • Política de comunicação
  • Educação Profissional, Científica e Tecnológica
  • Comunicação pública e suas três vertentes: comunicação organizacional, científica e governamental
  • Governança
  • Transparência pública

A Política de Comunicação é o conjunto de princípios, diretrizes e estratégias que objetivam orientar, de maneira uniforme, profissional e sistemática, o relacionamento de uma instituição com os seus diversos públicos estratégicos. É uma das políticas de gestão do IFSC, ou seja, trata das posturas quanto às diferentes temáticas que devem ser desenvolvidas na instituição, de acordo com sua missão, visão e valores.

Conforme o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do IFSC, a Educação Profissional, Científica e Tecnológica atua na formação dos sujeitos para uma intervenção crítica, inventiva e qualificada no mundo, considerando as dimensões identitárias, culturais, sociais, éticas, estéticas e econômicas do trabalho. O ethos da comunicação que subsidia essa proposta educacional tem como fundamentos básicos a interação permanente, a participação, o respeito pelo outro e a construção e o planejamento coletivos.

Enquanto instituição pública, o IFSC pauta sua Política de Comunicação nos princípios da comunicação pública, aqui entendida como aquela que assume a perspectiva cidadã, envolvendo temas de interesse público ou coletivo. Está relacionada ao diálogo permanente, à informação e ao relacionamento cotidiano entre as instituições públicas e o cidadão.

É, em outras palavras, a comunicação desenvolvida em órgãos públicos com foco na informação dos cidadãos, na transparência e no diálogo. De acordo com o Guia de Comunicação Pública, da Associação Brasileira de Comunicação Pública, seus princípios são: garantir o acesso amplo à informação; fomentar o diálogo; estimular a participação; promover os direitos e a democracia; combater a desinformação; ouvir a sociedade; focar no cidadão; ser inclusiva e plural; tratar a comunicação como política de estado; garantir a impessoalidade; pautar-se pela ética; e atuar com eficácia.

A comunicação pública tem ainda um importante papel, relacionado às práticas de boa governança, à medida que estimula o compartilhamento de informações de interesse público e o relacionamento entre instituições públicas e cidadãos. Fundamentado na governança, o processo de comunicação passa a estar envolvido mais na promoção da cidadania do que na disseminação das informações institucionais.

Essa relação com a promoção da cidadania passa também pelos princípios da transparência pública e do direito fundamental de acesso à informação, previstos na Constituição Federal de 1988 e na Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/2011).

Na comunicação pública, especificamente, podem-se observar ainda pelo menos três vertentes pertinentes ao IFSC: a comunicação organizacional, a comunicação científica e a comunicação governamental.

A comunicação organizacional é o conjunto de processos, ações estratégicas, veículos, ambientes ou espaços de interação que contribuem para promover o relacionamento entre uma organização e seus distintos públicos.

A comunicação científica envolve os processos destinados ao intercâmbio, à divulgação e à democratização do conhecimento científico, seja pelo estabelecimento de trocas de informações entre os pares (cientistas), seja pela facilitação do acesso ao conhecimento produzido nas instituições científicas pelo público geral. Ela engloba um leque amplo de ações e estudos que visam a integrar a ciência com a vida cotidiana das pessoas.

A comunicação governamental é aquela destinada mais diretamente à prestação de contas em relação a atos, programas, atividades e ações de interesse público.

Organização do documento

Além dos temas já abordados em sua primeira versão, que foram atualizados para acompanhar as modificações nos processos de comunicação da instituição e também as novas tecnologias e formas de comunicação, esta nova edição agrega dois elementos que merecem destaque. Primeiro, introduz-se a noção de comunicação pública como conceito norteador. A partir disso, é agregado um capítulo sobre comunicação inclusiva, entendida como aquela feita para toda a população, para que possa ser compreendida por todas as pessoas, indistintamente, e assim elas se sintam contempladas.

Assim, o conteúdo deste documento está organizado da seguinte forma:

Voltar ao Topo